Alentejo, debruado a Arraiolos



Na dourada planície alentejana
Onde o sol penetra e tudo queima
A falta de água mísera e insana
Quebra a vontade abate a alma

Nessa imensa e dourada pradaria
O vento de suão seca a cortiça
Leva consigo, numa lenta agonia,
O suor a que chamam de preguiça

Mas o Alentejo é belo e majestoso
Quem o ama chama-lhe de formoso
Quem parte volta, nunca diz adeus

Por isso há sempre vozes em coro
Cântico alentejano em vez de choro
A alma alentejana tem a força de Deus



Poemas de Amor e Dor


Rogério M. Simões


19-04-2005

Foto feita perto de Vila Nova da Baronia

A.C.Vera Cruz -(Montra Digital)

Comentários

Mocho Falante disse…
Ora aqui está um poema que ilustra bem o que eu sinto pelo Alentejo
batista filho disse…
A foto é linda, claro!... ou deveria dizer "clara"? Quanto ao poema, a descrição é parecida com o nordeste brasileiro, região de secas períodicas, ficando pois, mais fácil o entendimento - de uma realidade por demais difícil!
Um abraço.
O Micróbio disse…
Mais um que deixou o SAPO e veio até ao blogspot... sensata decisão! :-)
Anónimo disse…
Alentejo provincia de gente acolhedora e amiga. Vivi no Alentejo 11 anos que deixaram recordações agradáveis. Volto lá sempre pelas ferias para rever aquele povo que amo. Feliz fim de semana. Bjks da DoceRebelde

Mensagens populares deste blogue

ACORDANDO

ALDA GUERREIRO

ANRIQUE PAÇO D'ARCOS - UM POETA PORTUGUÊS...