Avançar para o conteúdo principal

Poema Mestiço



escrevo mediterrâneo

na serena voz do índico

sangro norte

em coração do sul



na praia do oriente

sou areia náufraga

de nenhum mundo



hei-de

começar mais tarde



por ora

sou a pegada

do passo por acontecer




Mia Couto




Não podia deixar de colocar aqui o comentário do Charlie. Agradeço as suas palavras e

insisto para que crie o seu próprio blog.

.

E no passo por acontecer, nesse lapso de tempo

sem medida,

acontece sempre o nada

Coisa que está no inicio de tudo.

Avanças!

Pensas que fazes Historia.

Pé ao fundo esmagando a areia que lhe toma a

forma e que o vento depois cantará no eterno

exercicio da criação desfazendo a eternidade dum

passo criando a tela para os passos seguintes.

Das gentes que hão de vir.

De passos tão eternos quanto o horizonte infinito,

mas que acaba mesmo ali.

Onde os nossos sonhos começam e acabam.

Levados pelos ventos.

.

Charlie

Comentários

wind disse…
lol, espero sentada:) bjs
Isabel-F. disse…
Algo que eu adoro.......

imagem....
"fabulástica" = fabulosa+fantástica

Bjs
paper life disse…
Ehehe

E ainda deixaste o deserto cheio de pégadas...

Bjs
Ludinais disse…
Bom descanso, óptimos banhos e um regresso em grande!
nikonman disse…
cá ficamos à espera.
Lumife disse…
wind

Agora sou eu que espero por ti...
Bjs.

isabel filipe:

o seu a seu dono : a fotógrafa é
Sofia Silva.
Bjs.

maker:

deixei as marcas da minha corrida a um banho refrescante...
Bjs.
Lumife disse…
nikonman:
Uma praia destas que bom seria aí em Beja...
Um abraço.
wind disse…
Mia Couto é fantástico! beijos e bom fim de semana
Anónimo disse…
E no passo por acontecer, nesse lapso de tempo sem medida,
acontece sempre o nada
Coisa que está no inicio de tudo.
Avanças!
Pensas que fazes Historia.
Pé ao fundo esmagando a areia que lhe toma a forma e que o vento depois cantará no eterno exercicio da criação desfazendo a eternidade dum passo criando a tela para os passos seguintes. Das gentes que hão de vir.
De passos tão eternos quanto o horizonte infinito, mas que acaba mesmo ali.
Onde os nossos sonhos começam e acabam. Levados pelos ventos.

Charlie
xarly2@hotmail.com
Mocho Falante disse…
Mais um que adoro, o Mia Couto e os seus abensonhados conto, já lhe didiquei um belo post....

E como foi estes dias de calor por ai??? imagino nem os chaparros te salvaram
batista filho disse…
Só há pouco (cerca de 1 ano) li o primeiro poema de Mia Couto. Identificação total! Simplesmente adorei. Grato por conhecer um pouco mais desse poeta excepcional.
Um abraço fraterno.
Nina disse…
Mia Couto..adoro...n tivesse eu nascido em Moçambike :)

beijinhooo :)
Cristina disse…
Olá,
Essa foto está linda mesmo, adorei! Adoro a praia, o mar e tudo relacionado, por isso fascino-me quando vejo fotos assim. O poema está lindo também...

Beijinhu para o Alentejo daqui deste lado :-)

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij