Avançar para o conteúdo principal

A Rosa de Hiroshima




De novo é publicado este poema de Vinícius de Moraes


Que o Homem o decore de vez para impedir que se repita tal gesto de desumanidade,
de desamor, de indiferença pela vida humana.



.


Pensem nas crianças

Mudas telepáticas

Pensem nas meninas

Cegas inexatas

Pensem nas mulheres

Rotas alteradas

Pensem nas feridas

Como rosas cálidas

Mas oh não se esqueçam

Da rosa da rosa

Da rosa de Hiroshima

A rosa hereditária

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A anti-rosa atômica

Sem cor sem perfume

Sem rosa sem nada




(Vinícius de Moraes)
(Foto-Joaquim Chitas - Fotografia na Net)

Comentários

wind disse…
Fizeste bem em editar este poema. Não devemos esquecer nunca e é pena que as guerras estúpidas continuem. beijos
Mocho Falante disse…
E este poema cantado pelo mitico Ney Mattogrosso???

É uma explosão de sentimentos... muito bem escolhido sim senhor...hoje também foi dia de poemas lá no meu poiso para compensar a locura dos festivais LOL
Cristina disse…
Olá,

Já é a segunda vez que hoje vejo um poema de Vinícius, tanto o outro como este são muito lindos
:)
beijinhu
Isabel-F. disse…
Oi Lumife....

Nunca é demais ler este poema tão maravilhoso... infelizmente inspirado naquela que eu considero a maior tragédia dos nossos dias...

Bjs
O Micróbio disse…
Para que ninguém esqueça...
Nina disse…
Lindissimo...

Beijinhoo :)
paper life disse…
Nunca é demais relembrar tal aberração vinda da estupidez humana e a qualidade desse poema bem o exprime.

Lumife, obrigada pelas palavras e o poema que deixaste lá em "casa".

Naquele post não consigo dizer mais nada.

Grata, Amigo.

Bjs
Anónimo disse…
Einstein, o pai da teoria que permitiu descobrir a força contida na fissão do átomo, disse uma vez:
- Para o génio humano há limites. Para a estupidez não!-

Charlie
xarly2@hotmail.com
Anónimo disse…
Um tremendo estoiro libertou
todo o inferno condensado nuns instantes.
Os milhares de mortos tiveram a rosa como mortalha.
Subiram aos ceus e os seus átomos chovem-nos em lágrimas todos os dias.
Não lancei bomba nenhuma sobre nenhum inocente.
Mas sempre que uma pinga me cai na mão eu olho para o céu e peço perdão àquele bocadinho de água que também é Humanidade.


Charlie

xarly2@hotmail.com

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij