quarta-feira, agosto 10, 2005

Senhor Vento




Senhor Vento, ó Senhor Vento,

já não me posso conter,

veio a seca, tanto sol,

que anda por aqui a fazer?



Vá-se embora Senhor Vento,

não são horas daqui estar,

não há trevo nem há água

para o gado apascentar.



Tudo seco, Senhor Vento,

ai que morte, que morrer,

não há suco nem há seiva,

cinco meses sem chover...



Se cá ficar, Senhor Vento,

não tempera, só destapa

os horizontes de nuvens,

não há chuva neste mapa.



Tape a chaga, Senhor Vento,

siga siga para o mar,

já lhe disse, vá-se embora,

não são horas daqui estar!



Dou-lhe um tiro, Senhor Vento,

se andar aqui mais um dia,

gira gira, fora fora,

mande a chuva, não se ria.



Obrigado, Senhor Vento,

Empurre as nuvens, agora,

isso mesmo, traga as águas!

De contente, a terra chora.




(Antunes da Silva - Nasceu e faleceu em Évora - 1921-1997)


(Foto Adriana Oliveira - Alentejo - 1000Images)

6 comentários:

Mocho Falante disse...

Poema bem apropriado para a tragédia que se vive nos campos alentejanos

O Micróbio disse...

Junto a minha voz a este pedido... Senhor Vento traga as nuvens"... :-)

wind disse...

Bonito poema e bem precisamos de chuva. beijos

Isabel-F. disse...

Bem actual este poema....
quem diria que foi escrito há tantos anos...

Boa noite...

Bj

TMara disse...

mas o senhor vento anda arredio e vira-nos as costas....vamos cantar juntos? muitas vozes para o sr. vento...Bj grande

Anónimo disse...

E junto com o pó que é a terra cujas lágrimas secaram, seguem as palavras.
Todas as palavras do mundo, ditas e juradas cabem num voo duma brisa.

Charlie
xarly2@hotmail.com