Ternura

Foto de Paulo Ferreira




Desvio dos teus ombros o lençol

que é feito de ternura amarrotada,

da frescura que vem depois do Sol,

quando depois do Sol não vem mais nada...



Olho a roupa no chão: que tempestade!


há restos de ternura pelo meio,

como vultos perdidos na cidade

em que uma tempestade sobreveio...



Começas a vestir-te, lentamente,

e é ternura também que vou vestindo,

para enfrentar lá fora aquela gente

que da nossa ternura anda sorrindo...



Mas ninguém sonha a pressa com que nós


a despimos assim que estamos sós!




(David Mourão Ferreira)

Comentários

Isabel-F. disse…
Oi Lumife...

O poema é lindissimo... não o conhecia.
A imagem que associaste é fantástica.

Bj
sonhos sonhados disse…
Lumife

imagem e poema muito simbólicos.
estás inspirado...
é bom vir visitar Beja diariamente.

beijux létinha.
olá
Maravilhoso poema e linda imagem...
Obg pela visita...
~Beijo
paper life disse…
Bela foto para um poema de que sempre gostei.

Obrigada Lumife pelo que deixaste ontem no rain-maker.

Beijos

:)
Nina disse…
Lindo mesmo...

Beijinho :)
batista filho disse…
O poema, ora publicado, não poderia encontrar melhor lugar para ser visto, até porque a TERNURA, de há muito fez pouso nesse sítio.
Parabéns, amigo!

Mensagens populares deste blogue

ACORDANDO

ALDA GUERREIRO

ANRIQUE PAÇO D'ARCOS - UM POETA PORTUGUÊS...