sábado, setembro 10, 2005

A Meia Hora de Sol




A Meia hora de sol

Eram casados, mas na verdade como se o não fossem, pois quatro anos volvidos sobre o registo legal, continuavam "amantes" quer na paixão com que se entredevoravam quer na disponibilidade que entendiam dever preservar. Escolhiam-se dia a dia um ao outro. Não tinham horário para o amor. E, como a vida de Mateus estava sempre ameaçada, muitos dos instantes em que se uniam tinham para eles um gosto atormentado e exaltante de primeira vez e de nunca mais. Mas eram alegres. Iam jantar fora com frequência e até passavam fins de semana muito íntimos, quase clandestinos, em pequenos hotéis retirados, de atmosfera civilizada e sorridente, governados por estrangeiros.

Na manhã em que o vieram buscar - dois homens à porta e outros dois na rua - ele cerrou os dentes com força, recusando-se à emoção em altura tal, e só lhe disse:
- Espera por mim, Júlia!

Mas beijou-a, primeiro na boca e depois nas mãos, com devoção, como a desfazer-se em água de alma, que nem ele jamais se apercebera de que lhe queria também assim.
No isolamento da cela reinventava-a, rememorava dia a dia, minuto a minuto, os quatro anos percorridos lado a lado; lamentava o tempo que não lhe dava por esta ou por aquela razão; tinha-a, com toda a gama dos seus olhares, queixumes, suspiros, gritos e êxtases, em todos os alaridos raivosos da sua continência forçada. De noite, ele que briosamente velava, em face dos estranhos e de si próprio, pela sequidão dos seus olhos e pela nudez dos seus lábios, acordava debulhado em lágrimas, assistindo à agonia de ausência que ela, sozinha em casa, conheceria.
Depois foram as visitas - de cada vez meia hora de sol, mesmo que o sol exterior não luzisse no firmamento. Um vidro a separá-los, as palmas das mãos esposando-se, uma de cada lado dessa delgada, mas intransponível fronteira que os dividia. E quase nada conseguiam dizer. Falavam sobretudo pelos olhos, pelo tremer da boca, pelo pasmo atroz do final na ocasião de se separarem. A tarde que se seguia era de todas a mais dolorosa, mas ainda quente do calor de vida que ela trouxera. E sucedia-se o deserto de uma nova, longa, tórrida semana, contando os dias que faltavam para a luz breve de outra visita. Durante meses, e na perspectiva de anos iguais. (...)

As visitas tornavam-se, por vezes, amargas, extenuantes. Júlia adivinhava-lhe nas sombras e nos vincos do rosto a escureza da suspeita e, ao mesmo tempo, uma adoração descabelada (porque tudo ele ia, com efeito, obsessivamente concentrando nela) adoração, de resto, também odienta, a raiar por essa mesma forma de amor possessivo e dependente que dantes ele considerava - com o seu sorriso mais racional - uma forma de alienação. (...)

- É melhor que nunca mais voltes. Não, não venhas. Só nos ferimos um ao outro. Saio daqui, por dentro, a escorrer sangue. E tu vais-te embora ainda em pior estado.

Mas, Mateus, meu querido...

E ele voltou-lhe as costas (só, aliás, para que ela não o visse chorar). O guarda veio, abriu a porta, do lado dela, com um pesado ruído de chaves ferrugentas. Mateus soube, pelo som leve, mas lento, dos passos, que Júlia partira.

E nunca mais, em manhãs de sol, a sombra dos varões da janela se tornou em flores na parte caiada da cela, no dia que fora o da visita.




(Urbano Tavares Rodrigues)


Contos da Solidão (1970)


(Foto de JNunes -Ziggy- Gritos -Olhares)

9 comentários:

paper life disse...

Boa escolha de Urbano Tavares Rodrigues.

:)

wind disse...

Muito bom este conto e boa escolha de foto:) beijos e bom fim de semana

segurademim disse...

Vidas duras e comoventes. O Urbano é exímio nas suas descrições...
Beijos

Cristina disse...

Olá lumife
O texto tá 5 *, e a foto adorei...
:)
um beijinhu e um óptimo fim de semana
:)

Ludinais disse...

Que maravilhoso dom este, de saber transmitir por palavras as emoções que tanto nos tocam. Também uma belíssima foto. E o gosto especial de Lumife para assim nos deixar estas duas expressões, em conjunto.

Abraços.

Menina_marota disse...

Um excelente texto de Urbano Tavares Rodrigues, bem como da imagem que o acompanha. Gostei muito de o ler.

Um abraço e bom domingo ;)

batista filho disse...

Mui bem escrito, conserva, do início ao fim um clima envolvente. Gostei muitíssimo.
Um abraço, amigo.

Lumife disse...

Pedra ; Wind ; Segura de Mim ; Nita4Ever ; Ludinais ; Menina Marota ; Batista Filho :

A todos agradeço a V/ visita e comentários.

Uma boa semana .

Anónimo disse...

desculpe, sou uma chinesa e estudo portugues..
já leio o texto, mas não percebi muito claro..
podem dar-me uma explicação clara ou um alánise sobre este texto?
porque terei um teste de literatura.
MUITO OBRIGADA!!!

*o meu E-MAIL : isabelsio@hotmail.com