Avançar para o conteúdo principal

Quase




Um pouco mais de sol - eu era brasa,

Um pouco mais de azul - eu era além.

Para atingir, faltou-me um golpe de asa...

Se ao menos eu permanecesse aquém...



Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído

Num grande mar enganador de espuma;

E o grande sonho despertado em bruma,

O grande sonho - ó dor! - quase vivido...



Quase o amor, quase o triunfo e a chama,

Quase o princípio e o fim - quase a expansão...

Mas na minh'alma tudo se derrama...

Entanto nada foi só ilusão!



De tudo houve um começo ... e tudo errou...

- Ai a dor de ser - quase, dor sem fim...

Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,

Asa que se enlaçou mas não voou...



Momentos de alma que, desbaratei...

Templos aonde nunca pus um altar...

Rios que perdi sem os levar ao mar...

Ânsias que foram mas que não fixei...



Se me vagueio, encontro só indícios...

Ogivas para o sol - vejo-as cerradas;

E mãos de herói, sem fé, acobardadas,

Puseram grades sobre os precipícios...



Num ímpeto difuso de quebranto,

Tudo encetei e nada possuí...

Hoje, de mim, só resta o desencanto

Das coisas que beijei mas não vivi...



Um pouco mais de sol - e fora brasa,

Um pouco mais de azul - e fora além.

Para atingir faltou-me um golpe de asa...

Se ao menos eu permanecesse aquém...







(Mário de Sá-Carneiro)


(Fotos de Paulo Cesar e Leonel Santos Lopes- Olhares)

Comentários

sonhos sonhados disse…
kerido Lumife

Fotos maravilhosas
acompanhando palavras lindas.

beijux grandes da létinha.

obrigada
por aquele
poema brasileiro,
que focava
de forma tão expressiva,
o tema
"do Sol e da Lua".
batista filho disse…
... mas és, Poeta: com todas as contradições que Ser, encerra. Para o além das palavras-versos - és, Poeta!
Bela postagem, amigo. Um grande abraço.
wind disse…
Belíssimo este poema e divinas a escolha das fotos:) beijos
Isabel-F. disse…
Oi Lumife...

Bom dia

Não conhecia este poema, e adorei lê-lo... imagens fantásticas as que escolhestes.

Bjs
paper life disse…
Sempre que digo este poema (agora muito menos vezes) arrepio-me como se fosse a primeira, Quanta verdade e força e impotência humana nele passa!

Um beijo, Lumife.

Boia semana!
Lumife disse…
Sonhos Sonhados :

Satisfeito por te agradar.

Bjs.


Batista Filho :

Quanta amabilidade. Ob.pelas palavras que aquecem o coração.

Um abraço.


Wind :

Fico feliz quando os trabalhos são de teu agrado.

Bjs.

Isabel Filipe :

Tanta obra boa de nossos poetas que ainda desconhecemos.
Ob pelas tuas palavras.

Bjs.


Rain - Maker :

É sinal de que vivemos cada palavra do poeta, que os olhos não estão virados para o nosso umbigo, que os sentidos acompanham sempre, preocupados, o nosso semelhante .

Bjs.
António Caeiro disse…
é sempre bom dar um passeio por este blog
1abraço.
O Micróbio disse…
"Poeta de sensibilidade multifacetada, Mário de Sá-Carneiro foi essencialmente um esteta. A beleza não era para si um conceito da sua inteligência, antes um inclinação inequívoca do seu temperamento. Muito mais do que uma idéia ela era, por isso, uma força." - http://orbita.starmedia.com/mariodesa/biografia.htm
Carlos Barros disse…
assim se fica a penssar e a sonhar durane eternos momentos.
Menina_marota disse…
Este poema de Mário de Sá Carneiro lido ao som da voz de Manuel Freire, tem realmente outro sentido...

Adorei este momento...

Um abraço ;)
Ludinais disse…
Nas aulas de Literatura Portuguesa foi, ao lado de Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner e Agostina Bessa Luís, leitura obrigatória!
Agora deverá continuar a sê-lo, mas com outro sentir.
O sentir e a emoção que o Lumife acrescentou às palavras fez-nos bem!

"Bêjos" alvitenses.
Mocho Falante disse…
E teve a Adriana Calcanhoto a cara de pau de gozar com este grandioso poeta...pérolas a porcos é o que é.

As fotos são belissímas
Lumife disse…
António Caeiro :

És sempre bem vindo. Tb gosto muito do "Monsaraz"


O Micróbio :

Vou sempre ver as tuas dicas.


Carlos Barros :

Espero-te mais vezes.


Menina Marota :

Feliz pelas tuas palavras.


Ludinais :

Podem crer que me estragam com tantos mimos ...


Mocho Falante :

Desconheço as declarações da Calcanhoto.
Tudo de bom para ti.
MARIA VALADAS disse…
Com imenso orgulho que faço uma visita por este site que mostra o que nós somos....Alentejanos de
almae coração na alma!
Ai Alentejo, Alentejo meu....terra que me viste nascer, berço da minha infância, faculdade do meu saber.........Como te poderei esquecer!!

Parabens lumife...passarei a visitar regularmente este lindo blog.....pois assim...estarei mais perto desta bendita terra.
...............MariaValadas
disa disse…
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij