Avançar para o conteúdo principal

Insensatez




Ah, insensatez que você fez
Coração mais sem cuidado
Fez chorar de dor o seu amor
Um amor tão delicado
Ah, por que você foi tão fraco assim
Assim tão desalmado
Ah, meu coração, quem nunca amou
Não merece ser amado

Vai, meu coração, ouve a razão
Usa só sinceridade
Quem semeia vento, diz a razão
Colhe sempre tempestade
Vai, meu coração, pede perdão
Perdão apaixonado
Vai, porque quem não pede perdão
Não é nunca perdoado.



Vinícius de Moraes

Comentários

lazuli disse…
Belo o poema que puseste..É uma insentatez, que consome com alegria o melhor que existe no ser humano.
Realmente ..continuo com os sonos ao contrário da gente normal..o que é uma insensatez!
Dizzie disse…
"Vai, meu coração, ouve a razão
Usa só sinceridade
Quem semeia vento, diz a razão
Colhe sempre tempestade"...

Lumife...creo q infelizmente...los tiempos ya fueron mas asi...:(

Bueno, no hablo del amor(pero al leer este poema, un otro tipo de relacionamiento, llego a mi miente, y tb no piensave en mio corazon, o mia razon)

Este poema es algo que toca bien fundo...

Besitos, amigo :)***
wind disse…
Só o grande Vinícius para "falar" assim de amor:) beijos
TMara disse…
Vinicius, intemporal na poesia de amor e amar. O poeta k melhor soube cantar o amor pela mulher/mulheres.Quem não quer serperdoado não pede perdão...Bom resto de semana. bjs e :)
Isabel-F. disse…
Parabéns pela escolha...

gostei bastante...

Bjs
O Micróbio disse…
Trocaste as imagens das planícies por fotos de mulheres... trocaste as palavras sobre o Alentejo por palavras de poetas brasileiros!!! Andas a implementar algum Plano de Marketing? :-)
Mónica disse…
Oi,

Vim atrás da tua visita e imagina...

Adorei, lindissímo este poema, que belo reflexo do amor!!!

Voltarei

:)
Ah Vinícius... as tuas palavras são ouro...

Um abraço ;)
romero disse…
Me gusta mucho de ese brazileño.
Gracias por ese regalo ;)
abrazo
segurademim disse…
... o amor e as suas dificuldades de comunicação ...
A insensatez dos enamorados que Vinicius tão bem descreve!

A foto também é muito bonita.

Beijo
Cristina disse…
Wow, um poema de Vínicius que ainda não conheçia...
Adorei
:)
beijinhu

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij