segunda-feira, novembro 14, 2005

Contrato Presidencial




Contrato Presidencial

Candidatura à Presidência da República
de Manuel Alegre de Melo Duarte

Lisboa, 4 de Novembro de 2005


Razões da candidatura

A leitura do texto integral pode ser feita aqui no site do Candidato



******


Abaixo el-rei Sebastião

É preciso enterrar el-rei Sebastião
é preciso dizer a toda a gente
que o Desejado já não pode vir.
É preciso quebrar na ideia e na canção
a guitarra fantástica e doente
que alguém trouxe de Alcácer Quibir.

Eu digo que está morto.
Deixai em paz el-rei Sebastião
deixai-o no desastre e na loucura.
Sem precisarmos de sair o porto
temos aqui à mão
a terra da aventura.

Vós que trazeis por dentro
de cada gesto
uma cansada humilhação
deixai falar na vossa voz a voz do vento
cantai em tom de grito e de protesto
matai dentro de vós el-rei Sebastião.

Quem vai tocar a rebate
os sinos de Portugal?
Poeta: é tempo de um punhal
por dentro da canção.
Que é preciso bater em quem nos bate
é preciso enterrar el-rei Sebastião.

Manuel Alegre







Da Weasel triunfa no Olympia em Paris

A mítica sala por onde passou Amália Rodrigues encheu-se de portugueses, luso-descendentes e franceses para ouvir o sexteto da margem sul, num concerto que acabou por ser uma grande festa.

No final, o vocalista do grupo, Pacman, confessou aos jornalistas que se sentiu "em casa".
O feito dos Da Weasel é tanto maís extraordinário quanto o seu sucesso em Paris ocorre num momento de grande tensão social em França, abalada por eclosões de violência urbana de grupos de jovens em revolta.

20 comentários:

Henrique Santos disse...

Cá estou a visitar-te outra vez, e outras vezes se seguirão... Gosto de poesia, isso é incontornável, Manuel Alegre faz parte dos meus... Da Weasel, como dizes foi um sucesso numa altura complicada para Paris (França) e se calhar para os nossos emigrantes foi muito bom... Shhhh vou continuar a pesquizar por aqui, em Beja, neste Portugal que fala...
Um abraço Ricky

Mocho Falante disse...

Pois olha veio mesmo a calhar ele actuarem nesta altura na capital francesa... tem tudo a ver com os acontecimentos que por lá ocorrem

segurademim disse...

Está tudo interligado, os políticos tão gordos dos seus privilégios e boa vidinha (europeus)nem reparam que há gente a passar muito mal!!
A ver vamos se Manuel Alegre irá ser a pedrada no charco...
Em Paris, em Londres ou Lisboa - as rive gauche, left bank, margem sul estão repletas de bairros periféricos e abandonados, onde residem pessoas mal tratadas, marginalizadas, recursos humanos desperdiçados; entregues a si próprios e à marginalidade!!!
Não admira que os Da Weasel se tenham sentido em casa...

Beijo, boa semana

Anónimo disse...

Vamos lutar !


Como muitos apoiantes reconhecem, a candidatura de Manuel Alegre é um vento de esperança que passa. Tem pela frente as velas tensas da partidocracia, no mar encrespado em que a nossa democracia navega. Os aparelhos são poderosos, e dirigidos, maioritariamente, por gente distante e detestada por grande parte dos cidadãos comuns.
Consequentemente, a luta de Manuel Alegre, e de todos nós, é dura e tem que ser travada com alma, energia e persistência. Os adversários, sim os adversários, e Cavaco em especial, exigem um combate permanente, objectivo e consistente, que conduza os ainda hesitantes a flectir para a companhia de quem é seguro defensor de valores de ética e de moral, na gestão da coisa pública. E, como foi referido na apresentação do manifesto, a candidatura à Presidência da República é um acto e um direito constitucionalmente exercido pelo cidadão, a título individual, e não por esta ou aquela organização partidária. Mas a realidade é que os aparelhos dos maiores partidos, e muito da comunicação social que lhe é afecta, actuam e propagandeiam em sentido inverso a essa regra. É-nos exigido, pois, que saibamos suprir na actividade individual, as desvantagens e vencer a manipulação e o déficit, este sim abominável, de vários media que lemos, ouvimos e vemos. Sobretudo, dos preclaros e prolixos comentadores de TV, com o Prof. Marcelo à cabeça.
Para vencermos, empenhemo-nos a fundo na luta por Manuel Alegre para a Presidência da República !

Carlos Alberto da Silva Fonseca

Anónimo disse...

EXCESSO DE ZELO ?

O "Manifesto" contra Manuel Alegre está eivado de rasgos autoritários que parecem ir na esteira do "cometa", à sombra do qual se cultiva um desproporcionado culto da personalidade. Será que deixou de haver liberdade de escolha, de autodeterminação, do livre-arbítrio, que declara a vontade humana livre para tomar decisões e determinar suas acções? A tentativa de execução política de um adversário parece um tique estalinista, um excesso de zelo, que não estranharíamos vindo de algumas áreas políticas, mas vindo de onde vem... Cabe-nos saber perdoar, mas convém não esquecer.

Fernando Marques

wind disse...

Manuel Alegre para a frente como Presidente, pelo menos o meu voto vai para ele, bom poeta e bom os de weasel terem sido bem recebidos:) beijos

Nilson Barcelli disse...

O Alegre é um bom poeta.
Parece-me também boa pessoa.
Nada mais.

Qualquer pimba de 3ª triunfa no Olimpia.
Mas eu acho que os Da Weasel são mesmo bons.

Abraço.

meialua disse...

Ola, vim so num saltinho deixar um beijinho...

agua_quente disse...

Sendo Manuel Alegre também o meu candidato, sou absolutamente solidária com a tua militância por esta candidatura.
Quanto aos Da Weasel, gosto (muito) e fico contente por terem triunfado em Paris num momento tão complicado para a França (e para todos nós, se nos pusermos a pensar...)
Beijos

Ludinais disse...

Os Da Weasel merecem o trinfo!

Beijinhos Lumife amigo.

Puss in Boots disse...

Tenho os Da Weasel como um dos melhores grupos portugueses. Baseiam claramente as letras das suas musicas em vivências próprias (o Pac Man já foi dependente de heroína). Já falei com alguns membros da banda e humildade é qualidade que não lhes falta. Falta referir que já assisti por 8 vezes a concertos seus e não me canso, de todo.
Não acho (ao contrário da segurademim) que os Da Weasel só se sentiram em casa por estarem rodeados de marginalidade. São efectivamente bons, imprimem uma muito boa energia aos seus concertos e mesmo que não houvesse marginalidade eles concerteza cativariam o público e logo, sentir-se-iam em casa.
Uma grande homenagem a um dos melhores grupos portugueses que os emigrantes portugueses em França mais uma vez dignificaram. God Bless Johnny

singularidade disse...

Gosto de te ler!
Um beijo grande

MARIA VALADAS disse...

Mais uma visita pelo teu cantinho...do qual já não prescindo...!!
Agora é hora de lutar ( com convicção) para que este país não caia mais na lama em que está!!
Quanto ao comentário que li acerca da margem sul.....quero deixar explicito á interveniente....eu resido na margem sul....e não sei onde estão os bairros sujos e abandonados.... e muito menos pessoas maltratadas!!
Ou terei que ir á Òptica Visão??
Convido-a a fazer uma visita guiada...ok??
Lumife...peço desculpa....mas tinha
que deixar este recado....
Beijos e continuação de bom trabalho!!
Viva o Alentejo.....
Vamos votar em Mauel Alegre!!

mar disse...

Ola.... vim retribuir e agradecer a tua visita.
Bbeijo

Lumife disse...

anónimos : porquê anónimos? Quando precisamos de conhecer mais belos textos como os que escreveram hoje.
Penso "postar" os vossos e outros textos-comentários se não tiverem qq objecção.

Grato pela participação.

lena disse...

que prazer ler Manuel Alegre

beijinhos

lena

Anónimo disse...

Procura-se um amigo!

“Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor. Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.
Não é preciso que seja de primeira-mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objectivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoas tristes e compreender o imenso vazio dos solitários.”


Parte de um poema de Vinicius de Moraes. Agora digam-me se não assenta bem a M Alegre?

JP Ernesto

Anónimo disse...

O perfil e o discurso de M. Alegre simbolizam a recusa de um Portugal resignado, lamuriento e fatalista face aos desafios de hoje e devolvem-nos a esperança no futuro. A sua candidatura representa a crítica à tecnocracia economicista e a insubmissão face ao aparelhismo partidário. É o único candidato em condições de promover o combate às desigualdades e injustiças sociais, e estimular a reinvenção da identidade nacional num sentido solidário e progressista. Força amigo!

Elísio Estanque

TMara disse...

dizias tu lá em casa: "só a mim..."! Ná, amim tmb. Da cada vez k aqui veho fico com água na boca, apetece fazer asmalas e partir, mas não se pode, compromissos, vínculos etc...K bela programação cultural. Faz crecer água na boca...Bjocas e ;)

Anónimo disse...

“-… Fala com o poeta”. “- Como? Está num quadrado ao qual não tenho acesso. Não me ouve. Nunca me ouvirá. Logo eu, cuja única face pública é corporizada por linhas que o público não vê?””- Instiga o poeta. Mostra-te. Ele pensa estar só, mas não está. É imperioso que soem as trombetas e os amodorrados reunir-se-ão. Convergirão, como sonâmbulos, num dia, num local, numa vontade trajada de resiliência. Tu não os conheces. Eles não te conhecem. Mas o brumoso trilho dos combatentes pode, quem sabe, cruzar-se”.

Mais... Alegre!