Avançar para o conteúdo principal

Traz Outro Amigo Também




Amigo
Maior que o pensamento
Por essa estrada amigo vem
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também

Em terras
Em todas as fronteiras
Seja benvindo quem vier por bem
Se alguém houver que não queira
Trá-lo contigo também


Aqueles
Aqueles que ficaram
(Em toda a parte todo o mundo tem)
Em sonhos me visitaram
Traz outro amigo também

(Zeca Afonso)

Comentários

adesenhar disse…
não estranhes a minha ausência por estas bandas :)
mas entro aqui por tentativas e a maior parte das vezes sem sucesso.
desta vez, talvez pela presença forte do Zeca, entrei no teu blog em boa velocidade o que estranhei.Mas ainda bem q resolves-te os problemas ou foi o Zeca que te limpou a casa :)

tudo bem contigo!

abraço

vem lá beber outro Porto
amigo lumife
Aromas Do Mar disse…
Olá :)

Vem brindar connosco, vens? ;)

Beijinhos
lazuli disse…
bom dia, lumife. É bom acordar com a voz do Zeca...
Isabel-F. disse…
Oi Lumife,

Uma das mais belas "coisas" alguma vez escritas.
Adoro o poema. Adoro a música e a interpretação.

Bjs
Caracolinha disse…
Palavras para quê ????

Sejas como fôr, ao ouvir esta música, esta voz, as palavras custam mesmo a sair ...

Grande escolha, sempre no teu melhor ;)

Beijoquinha encaracolada em amizade ;)
Barão da Tróia disse…
Foi pena partir tão cedo, mas o que ficou é a pr´pria alma de um povo.
gato_escaldado disse…
a palavra amigo abrasa. apenas uma palavra a supera. abraços
O Chaparro disse…
Zeca Afonso foi, é e será sempre um grande homem, um simbolo de luta.
wind disse…
Um verdadeiro hino esta música! beijos
paper life disse…
Só rever o rosto de esse grande amigo me apertsa o peit. Foi irreparável perda.

Bjs.
alentejodive disse…
É muito bonita esta canção.
Boa escolha, esta dos poemas que aqui tem colocado.

Os poemas e as músicas. E as fotos. Tudo.

Saúde ....
Viva Lumife!Das coisas mais belas de se ouvir.
batista filho disse…
Fantástico!
Grato por esse momento.
Um abraço.
Cristina disse…
Olá lumife
A música é linda acompanhada pelo poema, parabéns...
Há muito que não passava por aqui, desculpa :(
beijinhu
Lumife disse…
A todos os amigos que ainda não visitei prometo fazê-lo muito em breve. Desculpem a ausência mas certos imponderáveis se têm sobreposto à vontade de ir ao vosso encontro.
leon disse…
Se o pessoal quiser ver poesia de qualidade ("engagé" a maior parte das vezes) e também algumas questões políticas locais ou nacionais, vá a agitmoura.blogspot.com
segurademim disse…
O Zeca é que é um amigo inseparável...
Beijo
lena disse…
uma saudade grande


que belo momento este

beijinhoa meus

lena
Ludinais disse…
Temos andado arredados...Mas já sentimos falta. Voltar aqui e ouvir Zeca Afonso é do melhor.

Beijos, beijos, beijos!

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij