terça-feira, agosto 30, 2005

O(s) Baile(s)


Naquele tempo era no castelo que se faziam as festas.

Do que mais gostávamos era dos bailes.

Eram dois bailes acompanhados pela mesma música.

Eram dois bailes no mesmo local - o castelo.

No terreiro, de terra batida, sob o mastro colorido de

festões, balões e lanternas de papel, era o mais

concorrido.


Todos aprimorados em seus fatos domingueiros, eles,

com suas jaquetas de dia de festa, alguns com uma flor

na lapela, elas, lindas, em suas blusas floridas de cores

garridas, fazendo sobressair esbeltos bustos.


Aqui no terreiro, ao som da música sempre igual, os

corpos, enlaçados e frementes, rodopiavam, olhos nos

olhos, sempre sob o olhar desconfiado das mães que,

sentadas, vigiavam as moças.


Aqui se fizeram e desfizeram muitos namoricos.


Também por vezes saíam alguns com a cara

avermelhada dalguma chapada que travara uns

avanços mais atrevidos...


Mas se aqui no terreiro, num mar de gente se dançava

assim, o outro baile era na esplanada do castelo.

Piso superior ao terreiro era local indicado para a

gente "bem" da terra.

Funcionários públicos, comerciantes e lavradores que

mantinham assim a distância com o povo do campo.


Elas com seus vaporosos vestidos, alguns

encomendados, em tempo, na cidade.

Eles, perfumados, brilhantina a luzir naqueles cabelos

bem penteados, engravatados em seus melhores fatos.


Deslizavam, dançando, mantendo uma distância

respeitosa a que não era alheia a vigilância materna.


Os do terreiro olhavam com desdém os que dançavam

na esplanada e sorrindo cochichavam com as parceiras.


Na esplanada os olhos dos pares também se

dirigiam para o que se passava em baixo, no

terreiro, e seguiam com ar superior o jeito

da dança.

Aqueles corpos juntinhos no terreiro,

rodopiando como se de um só se tratasse, os

seus sorrisos ingénuos, as suas bocas

aproximando-se a cada passo, as mãos

grossas e calejadas apertando as

companheiras, criavam-lhes um misto de

inveja e desejo.


O terreiro era para os trabalhadores, a esplanada

era para os "finos"



Por vezes o filho dum lavrador, mais afoito, descia a

escadaria e ia dançar para o terreiro. Mil olhos se lhe

cravavam nas costas e a moça que aceitara a dança era

mal vista durante algum tempo...


A noite ia alta quando todos regressavam a casa para

descansar um pouco, pois breve ia começar nova

labuta, manhã cedo, nos campos.


Rostos cansados mas felizes dos que tinham tido nos

braços, por momentos, as mulheres amadas a quem

finalmente tinham declarado e prometido amor eterno.


L.M.



Ausência






Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces

Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.

No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida

E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.

Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.

Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados

Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada

Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.

Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.

Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.

Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.

Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.

Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.

E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.

Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.

Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.

E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.

Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.




(Vinícius de Moraes)



(Foto de Nuno Belo-Solidão-Fotografia na net)