sábado, março 18, 2006




EM BUSCA DO AMOR



O meu Destino disse-me a chorar:

"Pela estrada da Vida vai andando,

E, aos que vires passar, interrogando

Acerca do Amor, que hás-de encontrar."



Fui pela estrada a rir e a cantar

As contas do meu sonho desfiando...

E a noite e dia, à chuva e ao luar,

Fui sempre caminhando e perguntando...



Mesmo a um velho eu perguntei: "Velhinho,

Viste o Amor acaso em teu caminho?"

E o velho estremeceu... olhou...e riu...



Agora pela estrada, já cansados,

Voltam todos pra trás desanimados...

E eu paro a murmurar: "Ninguém o viu!..."



(Florbela Espanca)

5 comentários:

wind disse...

Sempre a desilusão de Florbela Espanca. Beijos

O Micróbio II disse...

Atenção que o Micróbio mudou de casa...
Agora está numa nova rua: http:\\o-microbioii.blogspot.com

Arte por um Canudo 2 disse...

A busca do amor nunca terá fim.Lindo.Bom Fim de Semana.

lena disse...

Florbela, um dos seus belos sonetos, onde a procura pelo amor foi uma constante na sua viva

uma busca que que teve o um fim...

beijinhos para ti meu querido amigo

lena

Isabel-F. disse...

Gosto sempre de reler a nossa sofredora Florbela...

Bjs