terça-feira, maio 16, 2006

Esta noite...

Foto de Paulo Custódio-Olhares



Esta noite

A rota definida era maravilhosa
Mas a viagem foi longa e tempestuosa
A noite abriu os braços e acolheu o navegador
sempre só, sempre sonhando com seu amor

Imagens em catadupa o cercavam
Um turbilhão de palavras o rasgavam
Nada o demovia, o sono estava ausente
Sorrindo prosseguia, sonhando sempre

Chegou à praia, na areia descansou
mas ao longe aquele vulto vislumbrou
Correu muito e loucamente a abraçou
e assim pode amá-la como sempre amou


Lumife -15/16-05-2006





*********** ***********
************

E tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meus pensamentos
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive)
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure


(Vinicius de Moraes - Soneto da Fidelidade)

18 comentários:

wind disse...

O meu poema preferido de Vinícius!:) Beijos

Abade.anacleto disse...

Continuas a presentear-nos com autênticas pérolas. Realmente é sempre uma autêntica frescura a leitura de poemas "gordos" de conteúdo e beleza. Parabéns!

gato_escaldado disse...

dois poemas que "encaixam" mto bem. abraços

Mily disse...

Aceitei o convite, meu amigo! Aqui estou para saber das novidades desse teu refúgio tão prazeroso de se estar. Fiquei imensamente feliz por ver aqui uma publicação tua, pois bem sabes que sou uma admiradora de tua poesia, já o disse há mais tempo. Um primor o teu poema "Esta Noite". Devias postar com assiduidade os teus escritos (também já te disse isto), pois tenho certeza de que muito agradaria aos teus amigos/leitores. Gostei de ver aqui tua homenagem ao nosso querido "Poetinha" Vinícius de Moraes, em duas de suas crianções mais conhecidas: "Procura-se um Amigo" (na postagem anterior) e nesta de agora: "Soneto da Fidelidade". À guisa de curiosidade, deixo aqui uma citação feita pelo nosso outro poeta maior, Carlos Drummond de Andrade:

"Vinicius é o único poeta brasileiro que ousou viver sob o signo da paixão. Quer dizer, da poesia em estado natural. Eu queria ter sido Vinicius de Moraes".

Como vês, amigo, o nosso Poetinha encantou não somente o coração daqueles que se apaixonavam pelos seus versos, como o coração dos grandes companheiros que também faziam jornada nos caminhos da pura Poesia.

Obrigada pelo carinho da homenagem ao nosso Vinicíus.

Quero dizer-te que fui também visitar teu outro blog, e fiquei a querer identificar-te no meio de tanta gente naquelas fotos. Mas estavam todos tão felizes e sorridentes, que me foi difícil determinar qual deles estava extravasando um entusiasmo maior... o que me levaria a ti, mas não logrei sucesso em meu intento.

Deixo-te um afetuoso abraço e os votos de que tua vida seja sempre pautada de sorrisos e realizações, de paz e alegria, junto aos teus familiares queridos.

Mily disse...

Aceitei o convite, meu amigo! Aqui estou para saber das novidades desse teu refúgio tão prazeroso de se estar. Fiquei imensamente feliz por ver aqui uma publicação tua, pois bem sabes que sou uma admiradora de tua poesia, já o disse há mais tempo. Um primor o teu poema "Esta Noite". Devias postar com assiduidade os teus escritos (também já te disse isto), pois tenho certeza de que muito agradaria aos teus amigos/leitores. Gostei de ver aqui tua homenagem ao nosso querido "Poetinha" Vinícius de Moraes, em duas de suas crianções mais conhecidas: "Procura-se um Amigo" (na postagem anterior) e nesta de agora: "Soneto da Fidelidade". À guisa de curiosidade, deixo aqui uma citação feita pelo nosso outro poeta maior, Carlos Drummond de Andrade:

"Vinicius é o único poeta brasileiro que ousou viver sob o signo da paixão. Quer dizer, da poesia em estado natural. Eu queria ter sido Vinicius de Moraes".

Como vês, amigo, o nosso Poetinha encantou não somente o coração daqueles que se apaixonavam pelos seus versos, como o coração dos grandes companheiros que também faziam jornada nos caminhos da pura Poesia.

Obrigada pelo carinho da homenagem ao nosso Vinicíus.

Quero dizer-te que fui também visitar teu outro blog, e fiquei a querer identificar-te no meio de tanta gente naquelas fotos. Mas estavam todos tão felizes e sorridentes, que me foi difícil determinar qual deles estava extravasando um entusiasmo maior... o que me levaria a ti, mas não logrei sucesso em meu intento.

Deixo-te um afetuoso abraço e os votos de que tua vida seja sempre pautada de sorrisos e realizações, de paz e alegria, junto aos teus familiares queridos.

Mily disse...

Quis entrar novamente para pedir desculpas pelo comentário tão extenso, e fiquei constrangida ao ver que, involuntariamente, o fiz publicar duplamente. Portanto, amigo, o pedido de desculpas vem em dobro, excusando-me do abuso e dando como justificativa o bem-estar que nos acomete quando entramos nesse teu espaço tão aconchegante.

AJRamos disse...

Boas Compadre... obrigado pela sugestão... este Alentejanices... está na mesma aconchegado só que como os blogs sapo são novos (beta, segundo dizem...) a "barra lateral" fugiu para o fundo e eu ainda não consegui recolocá-la ao lado esquerdo... precisamente como estava o outro... tô tentando! Um Abraço

augusto disse...

Para bom entendedor, meia palavra basta.
Essa nossa amiga Mily, acabou por dizer tudo o que havia para dizer e tão sabiamente o disse.
Espero que a Carolina não se esqueça do meu neto Tiago. Ele já quis escrever-lhe, mas acho que ela não iria entender. rssss

AJRamos disse...

Pronto... já estamos outra vez aconchegadinhos... "raios parta o sapo"... eh eh eh

António disse...

Boa poesia!

Obrigado pela visita.

Um abraço

Manel do Montado disse...

Bom dia Alentejo...que saudades de não estar aí, onde me sinto gente.
Gostei de ambos os poemas, nada há que os distancie, antes se complementam.
Parabéns.

Lisa disse...

Lindo poema...

Vim desejar uma semana super maravilhoso pra ti...

Beijoss...

Henrique Santos disse...

Pois, vim me consolar depois duma ausência forçada. reatar o que é bom sempre soubem melhor, n'é?
Abração grande e obrigada pela visita, Ricky

Arte por um Canudo 2 disse...

Simplesmente belo!Abraço.

lazuli disse...

Lindo o teu poema. É de ler duma vez, depois mais uma vez, pelo simples prazer que a sinfonia das palavras provoca. Sem aquela sensação de ter que reler uma certa palavra, ou uma certa expressão, e ter que encaixá-la numa outra, mais abaixo,procurando sentidos, interstícios, subentendidos.
A tua não é (esta, pelo menos, não) uma poesia "abstracta", com todo o respeito pelo género, mas sim como um quadro de um Van Gogh. Tem um girassol, bem visível.
É assim a tua, escorregando como um rio pelo qual se desliza com deleite, olhando as suas margens, ora mais próximas ora mais longínquas.
Não sabia que escrevias assim..Porque não publicas mais?
Não sei porquê, talvez por esse "rio", me tivesse lembrado desta letra do Sérgio Godinho, que não resisto a deixar, com um beijinho para ti..

E quanto ao Vinícius, que dizer, quando já te disse a ti?

A noite passada acordei com o teu beijo
descias o Douro e eu fui esperar-te ao Tejo
vinhas numa barca que não vi passar
corri pela margem até à beira do mar
até que te vi num castelo de areia
cantavas "sou gaivota e fui sereia"
ri-me de ti "então porque não voas?"
e então tu olhaste, depois sorriste
abriste a janela e voaste

A noite passada fui passear no mar
a viola irmã cuidou de me arrastar
chegado ao mar alto abriu-se em dois o mundo
olhei para baixo dormias lá no fundo
faltou-me o pé senti que me afundava
por entre as algas teu cabelo boiava
a lua cheia escureceu nas águas
e então falámos, e então dissemos
aqui vivemos muitos anos

A noite passada um paredão ruiu
pela fresta aberta o meu peito fugiu
estavas do outro lado a tricotar janelas
vias-me em segredo ao debruçar-te nelas
cheguei-me a ti disse baixinho "olá",
toquei-te no ombro e a marca ficou lá
o sol inteiro caiu entre os montes
e então olhaste, depois sorriste
disseste "ainda bem que voltaste"

wind disse...

Espera aí só agora vi o teu poema. Mea culpa:(((( Desculpa. Está muito bom e introduziste-o muito bem antes do Vinícius:) beijos

batista filho disse...

Gosto de Vinicius, sem dúvida, e é sempre bom ter oportunidade de relê-lo, mas o que me comoveu mesmo foi o teu poema, meu amigo! Grato por essa partilha,impregnada do mais puro sentimento.
Deixo o meu abraço fraterno.

Lumife disse...

A todos o meu agradecimento. Tentarei continuar melhorando...