segunda-feira, junho 19, 2006








Sei agora como nasceu a alegria,
como nasce o vento entre barcos de papel,
como nasce a água ou o amor
quando a juventude não é uma lágrima.

É primeiro só um rumor de espuma
à roda do corpo que desperta,
sílaba espessa, beijo acumulado,
amanhecer de pássaros no sangue.

É subitamente um grito,
um grito apertado nos dentes,
galope de cavalos num horizonte
onde o mar é diurno e sem palavras.

Falei de tudo quanto amei.
De coisas que te dou para que tu as ames comigo:
a juventude, o vento e as areias.






Obra de Eugénio de Andrade /2, in «Até Amanhã» , Fundação Eugénio de Andrade

24 comentários:

lazuli disse...

the most beautiful sound I ever heard..

Em conjunto com o poema, não sei que te dizer.

Fica..belo. Uma das canções para a eternidade, que deveria ir numa daquelas sondas espaciais para o infinito universo..e ao lado, o poema do Eugénio de Andrade.

Seria, sim..the most beautiful sound ..dum planeta longinquo, que se chamava..Terra.

Só isto.

E o meu beijinho, é claro..

Isabel-F. disse...

Olá Lumife...

Bem bonito este poema ... não conhecia ... adorei ler...

boa semana
bjs

wind disse...

EA não se comenta, gosta-se e sente-se:) beijos

Barão da Tróia II disse...

Lindo e ponto final.

Lisa disse...

Um belo poema...

Vim desejar à ti uma semana super maravilhoso...

Beijosss...

Caracolinha disse...

Olá amigo Lumife !!!!

Saudades !!!!

Fica uma beijoca encaracolada e uma beijoca à neta mais linda da blogosfera !!

:)

Mily disse...

Um dos belos poemas de Eugênio de Andrade. Neste, faço destaque para a doçura dos últimos versos:

"Falei de tudo quanto amei.
De coisas que te dou para que tu as ames comigo:
a juventude, o vento e as areias.

Tão singelo... e ao mesmo tempo tão denso, tão profundo!

Amigo querido: enterneceu-me teu último comentário no meu espaço. Também estou pensando em dar uma parada, mas somos sempre impulsionados a “dizer” mais alguma coisa... não é assim? Quando se pensa que chegou o momento, que aquela será a última postagem, um apelo mais forte se faz e a gente fica adiando. Mas acredito que existe o momento certo para isto, e quando ele chegar... não haverá mais dúvidas.

Quero deixar-te sorrisos colhidos nas estrelas, para que, no decorrer da semana, as horas te cheguem inundadas de alegria.

Até um outro momento!

gato_escaldado disse...

uma bela escolha literária.

abraços

mariavaladas disse...

Obrigada pelos momentos maravilhosos que me fazes passar...
ao ler o poema de um GRANDE POETA
acompanhado por uma cancão lindissima...fiquei em extâse!
Boa escolha, Lumife!

Ahhh....e logo eu que sou...maria!!

Bjs....................maria

Isa&Luis disse...

Olá ,

Neste entardecer, leio um poema belissimo, e uma musica que me encanta.

Obrigada pelo momento

beijinhos muitos para ti

Isa

della-porther disse...

Lu

Obrigada pelo carinho.

Adoro vir aqui. Poema e foto fizeram uma união perfeita.

Beijinhos
Amanha o dia é de Portugal. Aqueles meninos vão mandar ver.

LEONOR C. disse...

"Falei de tudo quanto amei.
De coisas que te dou para que as ames comigo".

É assim o amor. Primeiro declara-se, depois entrega-se.

O Micróbio II disse...

Não me levem a mal, não consigo gostar do Andrade... :-)

Lmatta disse...

Lindo poema
gostei
beijocas

Abade.anacleto disse...

Lumife, desta vez foste tirar mais uma pérola do baú. O grande Eugénio. Para mim, a tríade Pessoa, Eugénio e Carlos Drummond de Andrade representam na língua lusa o mais alto padrão da poesia.
Obrigada amigo.
Um abraço.

Thiago Forrest Gump disse...

Um poema para sentir e entender. :)

Caracolinha disse...

Bonito amigo, muito bonito !!

Fica uma beijoca encaracolada para toda a família e em especial para a tua linda netinha !!!! :)

batista filho disse...

O poema, que eu não conhecia, é belíssimo. O final então?! - o autor destaca três coisas fugidias: a juventude, o vento e as areias, como a nos lembrar a transitoriedade dessa existência.

Deixo um abraço fraterno.

Nilson Barcelli disse...

Gostei de ler este belíssimo poema.
Parabéns pela escolha.
Abraço e bom fim-de-semana.

Anónimo disse...

Amigo querido! Vim trazer-te um abraço após dias de afastamento e fiquei apreensiva com o INTERVALO... significa o que estou pensando? Está acontecendo aquela parada da qual me falaste dias atrás?

Ao lado da apreensão vão ficar alguns sorrisos para iluminar teus caminhos; muitos beijos para te agradecer os momentos bonitos que nos proporcionaste; e muitas flores para dizer-te o quanto és especial para todos nós.

Fica também um pouco de tristeza... bem sabes que ela sempre se instala quando amigos queridos se afastam de nós... mesmo que fiquem dentro do nosso coração!

Mily disse...

Lumife, meu querido! Esqueci de identificar-me no comentário anterior... rss.

É isto que dá ser pego de surpresa com notícias 'ruins'.

O Anônimo ali, sou eu! (risos... meio tristes!)

tecum disse...

com pouco tempo, dominada por imensa saudade, vim ler-te.

comovida, sem palavras, parto.

deixo dois beijos

Lmatta disse...

Lindo
gosto
beijocas

Mily disse...

Passando apenas para deixar-te um beijo, um sorriso e uma flor. Que estejas bem, amigo querido, é o que importa e é o que desejo do fundo de minh'alma.