Avançar para o conteúdo principal
Caronte, o barqueiro do Hades - Gravura de Gustavo Doré



ARCO – ÍRIS


No longe mais longe dos longes do mar
Andava um barqueiro a remar… a remar…

Não via mais nada: só águas e céu
E nuvens e astros que Deus acendeu.

Sozinho consigo, sonhava… sonhava…
Nos fundos mistérios que o fundo guardava.

Passavam as ondas, e, uma por uma,
Beijavam-lhe os remos com lábios de espuma.

Os ventos pintavam, com nuvens e sol,
mil quadros a tintas de fresco arrebol.

À noite, não quadros que o vento arrebata,
Mas lua beijando cardumes de prata.

E o poeta barqueiro remava a sonhar
Nos fundos mistérios do fundo do mar.

Que tempos passaram!! Já nem se lembrava
De quando partira! Remava… remava…

Às ondas suaves: - «Mais longe, mais longe,
(Pediam as nuvens) levai este monge!»

E o monge poeta, com mais energia,
Remava nas ondas da luz que acendia,

Que a luz era o sonho que o monge habitava,
Bebendo os silêncios que a alma cantava.

E as horas passaram felizes… velozes!
Cantaram os galos, ouviram-se vozes,

O sol levantou-se, rompeu a manhã
Mais linda e alegre que fresca romã,

E o monge, acordando, sentiu-se mesquinho,
Ao ver-se num catre de tábuas de pinho.

Saltou para o chão, os joelhos dobrou,
Três vezes no peito bateu… e chorou!


António Celso – Asas cinzentas

Comentários

O Chaparro disse…
olá, compadre. tdo bem?
e para quando um encontro d blogs alentejo-algarvios?
não me parece má idéia. tou a morar agora no algarve e acho que se arranjava alguns.
desejo um bom fim d semana, pra ti e prós teus. abraço.
alentejodive disse…
Amigo Luis, como estou mesmo, mesmo de saída, é mesmo só para desejar a todos um óptimo fim-de-semana.

Saudações alentejanas.
O Turista disse…
Já aqui não passava há imenso... é o que dá as férias...
Um abraço amigo,

O Turista - http://www.turistar.blogspot.com/
Menina_marota disse…
Excelente! Não conhecia este autor.

Desculpa a ausência, mas o tempo tem sido pouco para visitar todos aqueles por quem nutro tanto carinho na Blogosfera. Mas espero em breve, voltar a tempo inteiro.

Um abraço carinhoso e bom fim de semana ;)
Um Poeta a descobrir... não conhecia...

E abraço e bom fim de semana ;)
Lisa disse…
Bom dia Luís...

Lindo poema...

Espero que estejas bem...de coração...

Vim desejar um belo final de semana com doçura...

Beijossss...
DoDo disse…
Ola Luis,

Lindo poema, gostei.

Bom fim de semana :)
Ludinais disse…
Amigo,
Mesmo por aqui, o tempo às vezes foge-nos... De qualquer modo, a amizade e a lembrança não desaparecem!

Beijos e abraços de Alvito
weg disse…
DElicioso poema cantilena

Bjs

bfs

:)
gato_escaldado disse…
deixo uma abraço. gsotei do poema. muito
augusto disse…
Meu caro amigo,
Um abraço e acho que devo procurar saber pela sua linda Carolina que o meu neto lhe manda beijos (é atrevidote, o rapaz).
A minha disponibilidade é pouca para dar mais atenção aos blogs.

Até breve, nem que seja só para saber da saúde do meu amigo.
Mily disse…
Perfeito o sonhar e a criação desse momento de espanto ao se perceber que o 'sonho' não passou apenas de um sonho.

Um belo poema, de cadência doce e envolvente. Gostei do poeta!

Saudade daqui! Saudade de ti! Desejo que estejas bem e que a vida esteja te trazendo a realização de todos os teus sonhares.

Amigo querido, vim trazer-te um beijo, um sorriso e uma flor, para enfeitar tua semana.

Que sejam de alegria e PAZ os dias que estão a chegar para ti!
Alfa de Centauro disse…
imenso o ar puro que aqui se respira.
beijos
O Chaparro disse…
vim desejar uma boa semana, compadre. abraço
Caracolinha disse…
Olá amigo, estou de regresso.

Deixo-te a ti e à tua linda neta, uma beijoca encaracolada.

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij