Avançar para o conteúdo principal
Foto de Robert Socha




NOSTALGIA




Quantos sóis e luas passaram
Anos e anos feneceram,
Quantas marés teve o mar
Quantos amores se perderam?

Se a Lua pudesse contar
As noites de abandono,
Contava ondas do mar
Que nunca têm retorno.

Mesmo o sol iluminando
O mais azul dos céus,
Um amor e desenganos
Escurecem um lindo véu.

Anos e anos passados
Presente em pensamento,
Estiveste a meu lado
Mesmo estando ausente.

As marés que teve o mar
Nunca ninguém as contou,
Os beijos que te quis dar
Foi o vento que os levou.

Quando a lua tapa o sol
O dia fica em escuridão,
O amor que não vivi
Tornou a vida em solidão.


(Olinda Bonito 05/06)

Comentários

sónia disse…
O amor que não vivi
Tornou a vida em solidão
... Não s epode desperdiçar o Amor! Nunca!
segurademim disse…
......

as marés que tem o mar
não têm conta nem medida
ninguém as pode cantar
numa cantiga sentida

......

beijo ::)
Lisa disse…
Olá Lu...

PS: "As marés que teve o mar
Nunca ninguém as contou,
Os beijos que te quis dar
Foi o vento que os levou."...(o vento sempre levou o meu beijo a ti...) =P

Tb lhe desejo uma semana com romantismo...

Beijossss...
bitu disse…
Bonitos poemas os que sempre nos deixas...beijocas
Peter disse…
Não conheço a autora, mas apostava tratar-se de uma patrícia alentejaana.

P.S.-Obrigado pelos "clips" que me tens enviado.
Nilson Barcelli disse…
As marés que teve o mar
Nunca ninguém as contou,
Os beijos que te quis dar
Foi o vento que os levou.


Não sei quem é a Olinda Bonito, mas gostei destes versos, especialmente da quadra acima.

Um abraço.
O Chaparro disse…
passei pra desejar bom fds. abraço
aflores disse…
Costumo dizer que a nossa disposição tem muito a ver com o tempo. E este tempo ...dá muito para a nostalgia. Bom fim de semana.
MARIA VALADAS disse…
Belissimo Poema!!!
Parabens á poetisa Olinda Bonito.

Obrigada Lumife...por nos dares a conhecer...Tão belas poesias!

Bom fim de semana...
Beijossss Maria
Menina_marota disse…
"...As marés que teve o mar
Nunca ninguém as contou,
Os beijos que te quis dar
Foi o vento que os levou."

Um poema que a música torna mais triste...mas lindo, como o é o Amor...se for correspondido!

Um abraço e bom fim de semana ;)
Rosa Brava disse…
Ler este poema ao som da música, torna este momento especial, embora triste...

Um abraço e bom fim de semana ;)
Clap, clap, clap, clap

Palmas ao post rico em timas e em sentimentos! Meus parabéns pela escolha! :)



Um ótimo fim de semana
batista filho disse…
divulgador da poesia de Olinda Bonito, tens feito bonito, meu amigo! - pois os versos da poetisa são lindos, lindos!

deixo o meu abraço fraterno.
mfc disse…
É sempre bonito ver duas pessoas lado a lado!
António disse…
Olá!
Mais um poeta (neste caso poetisa) para a galeria dos poetas populares alentejanos.
Boa divulgação!

Um abraço
O que mata o homem não é o amor, é a solidão.

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij