Avançar para o conteúdo principal
André Gonçalves (1686-1762)-Adoração dos Magos s/ data, óleo sobre tela - Museu Nacional de Machado de Castro - Coimbra



NATAL ALENTEJANO

O Natal também se celebra em Portugal sem a Missa do Galo. Apesar desta ser o centro de todo o ciclo comemorativo e comandar as demais manifestações, a tradição – muito viva no Alentejo – de representar os chamados “presépios vivos” pode assumir o seu lugar, como acontece na paróquia da Trindade, Beja.

A iniciativa partiu dos próprios fiéis e mesmo as gentes que há muito saíram da aldeia para ganharem a vida acabam por se deslocar propositadamente aos ensaios. O que se faz é contar a história toda do nascimento em verso.

Os autos de Natal inserem-se na tradição do teatro popular e representavam-se primariamente ao ar livre, na noite de Natal, das 21h às 06h00. Hoje o auto de Natal continua a demorar horas, mas já é feito no salão paroquial.

A Missa do Galo continua, ainda assim, a ser a principal protagonista da noite cristã no Alentejo. O tributo ao Deus menino "em palhas deitado” é conhecido de todo o país:

Eu hei-de dar ao Menino
Uma fitinha p'ró chapéu
E Ele também me há-de dar
Um lugarzinho no Céu...

Olhei para a céu
Estava estrelado
Vi o Deus Menino
Em palhas deitado.

Em palhas deitado
Em palhas esquecido
Filho de uma rosa
Dum cravo nascido

Estas palavras disse a Virgem
Ai quando nasceu o Menino
Ai vinde cá meu anjo loiro
Meu sacramento divino

Outro contributo incontornável do Natal Alentejano para a vivência da quadra em todo o Portugal é o “Natal de Évora”:

O Menino está dormindo
Nas palhinhas despidinho
Os anjos lhe estão cantando:
Por amor, tão pobrezinho.

O Menino está dormindo
Nos braços de S. José
Os anjos lhe estão cantando:
Gloria tibi, Domine.

O Menino está dormindo
Nos braços da Virgem pura
Os anjos lhe estão cantando:
Glória a Deus lá nas alturas.

O Menino está dormindo
Um sono de amor profundo
Os anjos lhe estão cantando:
Viva o Salvador do mundo


O madeiro de Natal

O madeiro é aceso na chaminé de todas as casas, onde o Menino Jesus coloca os brinquedos no sapatinho. Nos largos das vilas, aldeias ou cidades, e nos adros das igrejas são queimadas quase árvores inteiras na fogueira que aquece a noite de natal.

Diz quem vive este Natal que o lume da chaminé é para o menino se aquecer quando vier pela noite dentro recompensar as crianças por se terem portado bem e terem ajudado a fazer o presépio. Vai-se buscar a lenha onde a houver sem necessidade de qualquer autorização: diz-se que é para “aquecer o Menino Jesus” e basta. A notável propensão do povo alentejano para a música fixou estas tradições em quadras:

O Menino vai à lenha
Espetô-le um pico no pé
Chamou Nossa Senhora
Respondê-le Sã José.

Ó mê Menino Jesus
Encostado ó madêro
Ê vos dô a minh'alma
Fazei dela o travessêro


Presépios e Roncas

Os bonecos de Estremoz, em barro cozido e polícromo, dão vida a um dos presépios mais conhecidos do país, com várias figurinhas profano-religiosas. Ainda hoje prestigiados artesãos ceramistas e barristas continuam a concebê-los num estilo muito próprio, numa diversidade de modelos, dimensões e cores.
Os presépios caseiros davam origem a visitas às casa na vizinhança. Em Elvas era habitual entoarem-se cânticos natalícios acompanhados pela “Ronca”, um instrumento semelhante à zabomba espanhola.

Este instrumento pode ser feito de uma panela de barro, cântaro de lata ou de um pote.A ronca leva uma pele a tapar a boca do recipiente, no centro da qual há uma cana.
A qualidade da pele é muito importante por causa do som. Por isso se usam peles de cabra ou borrego, e ainda de bexiga de porco.


A Missadura

Da preparação da mesa para a véspera de Natal fala-nos longamente o livro “Etnologia do Natal Alentejano”, (PESTANA, M. Inácio, Portalegre 1978).

Em algumas terras do distrito de Évora, tanto quanto é possível, faz-se a matança do porco antes do Natal, para se assegurar o abastecimento da “missadura”. Esta missadura (Consoada) ocorre em cada lar logo a seguir à missa do galo e na sua ementa inclui-se toda a variedade de carne de porco.

A Consoada é a seguir à Missa de Natal porque até lá o que se come propriamente ao jantar do dia 24 de Dezembro nas casas alentejanas é a sopa de cação, pescada frita, bacalhau, ou outro peixe, acompanhado com batatas, couve-flor ou grelos. Esta regra tem a ver com o antigo preceito da abstinência, que embora já exista na liturgia ainda é respeitada por muitos.

“Quem não jejua dos Santos ao Natal, ou é besta ou animal”, dizia um velho ditado popular.


(Projecto Évora Distrito Digital)









CONCERTOS DE NATAL - ALVITO E VILA NOVA DA BARONIA

A Câmara Municipal de Alvito promove um concerto de Natal, em cada uma das freguesias do concelho- Alvito e Vila Nova da Baronia. Esta é uma das formas de desejar as Boas Festas a todos os munícipes.

No dia 16 de Dezembro (Sábado) realiza-se na Igreja Matriz de Alvito, pelas 18 horas um concerto pelo Coral Polifónico de Alter do Chão e no dia 23 de Dezembro será na Igreja Matriz de Vila Nova da Baronia, também pelas 18 horas que o Coral de S. Domingos, de Montemor-O-Novo realizará a sua actuação.

Comentários

emília couto disse…
Lu

vem ver o amor manifesto...
vem se deliciar...
porque viver é isso...
é lembrar ...é amar...é contar

Emilia Couto

(della)
Olinda Bonito disse…
erlogiodeliciaste-me logo pela manhã.
para completar as minhas recordações, só faltaram as belas pinhoadas que a minha avó fazia na noite de natal.
tantas recordações!...
beijos
E eu ainda não entendo como há pessoas que não gostam do Natal!

Belos poemas! :)

* prefiro peixe do que carne de porco!
lol
MARIA VALADAS disse…
Ler o que escreveste neste post...é regressar aos tempos da minha infãncia. Foi copm lágrimas nos olhos que revivi a noite de Natal passada no Alentejo, ouvindo e cantando as cantigas ao menino Jesus, e ansiosamente esperando pela manhã do dia 25, para ver o que tinha no sapatinho ( era hábito os meus pais colocarem chocolates e eu pensar que era o menino Jesus que os ia lá pôr)...
Hoje, o consumismo absorveu tudo...
deixando-se de falar do Menino Jesus....para enaltecer o Pai Natal
e a célebre árvore de Natal e os respectivos "presentes"... a maioria comprados com grande sacrificio...para satisfazer os filhos.
Ficando no esquecimento...a celebração do nascimento de Jesus!

Obrigada Lumife... pela tua iniciativa em relembrar o verdadeiro espirito natalício!

Bjoss
Maria
Mais um soberbo post, sobre o Alentejo sobre o Natal e sobre a alegria da quadra, boa semana.
Mily disse…
Lumife, que doce postagem a de hoje! Nessa época em que o coração se enternece à simples lembrança do que é celebrado nesse mês de dezembro, e ao mesmo tempo se confrange pelos menos assistidos da sorte que são tão lembrados nesse período de Natal, entrar no seu espaço e deparar com esse relato das tradições natalinas de sua gente, as quadras tão mimosas de se ler, e a doçura do fundo musical na Ave Maria de Schubert, é um verdadeiro presente aos olhos, coração e alma.

Enviei há pouco, meu querido, um email com algo que recebi de presente e quis dividir com alguns amigos. Espero que te agrade.

Só me resta desejar uma tarde ensolarada de alegria no decorrer de tuas horas.

Fica um beijo no teu coração, uma flor na alma e um sorriso no olhar, com meu carinho.
Teresa David disse…
Senti neste post um cheirinho dum Natal que há mto já não existe, aquele de adoração a Jesus, ao invés da fúria consomista dos dias de hoje.
Bjs e um bom Natal á alentejana
TD
O Chaparro disse…
passei pra desejar bom fim d semana
MARIA VALADAS disse…
Como já tinha comentado neste post...
Agora passei para desejar-te um Bom Fim de Semana e a toda a tua familia!

Bejo amigo da
Maria
Lumife, passando para desejar um ótimo fim de semana!




Abraços
Cordda disse…
Beja

Uma explicação salutar sobre o Natal.


cordda
bitu disse…
Felizmente que o Natal é muito mais que esta onda consumista que assola as grandes cidades.
O meu Natal tb vai ser passado em terras alentejanas, à volta da lareira comendo as deliciosas filhoses e as demais iguarias da época.
Feliz Natal com um cabaz cheio de saúde, paz, amor e solidariedade.
Beijo terno
Jofre Alves disse…
Passei para desejar boa semana preparatória do Natal e apreciar este sempre interessante blogue, atraente pela qualidade e desvelo inerente. A qualidade de braço dado com o bom-gosto.
Mocho-Real disse…
Bom dia e Bom Natal.

Curiosamente também ilustro a página de um dos meus blogues com esta excelente pintura de um dos nossos maiores mestres do séc.XVIII. Acho-a linda!

A informação aqui contida é muito interessante e bem elucidativa de que há bons blogues e bloguistas em Portugal.

As melhores saudações e desejos de um BOM ANO.

Jorge G. Mocho-Real

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij