domingo, fevereiro 25, 2007





CANTE ALENTEJANO


Homens do sul, sobrando do montado,

unindo seu cantar num só lamento,

do sonho, embrulhado em sofrimento,

que marca esse passo demorado.



E toda a planície desolada

coberta da mais triste solidão,

acolhe em toda a sua vastidão,

a dor que há numa trova magoada.



Vozes suaves rasgam os espaços

e as letras doloridas são cansaços

espalhados nas searas a crescer



Irmãos no trilho agreste da amargura

vão a compasso cantando a desventura

dum Alentejo aos poucos a morrer


Orlando Fernandes – Alentejo…e outros poemas

sexta-feira, fevereiro 23, 2007

MARIANA ' S






Temos o prazer de o/a convidar para assistir à estreia de MARIANA´s, dia 8 de Março, pelas 19.00h , no Museu Regional de Beja.

Entrada limitada à capacidade da Sala do Capítulo. Faça sua inscrição através do contacto: 96.4781436.


2007 ano europeu da igualdade de oportunidades para todos






ARTE PÚBLICA apresenta, por ocasião do DIA INTERNACIONAL DA MULHER, a sua mais recente Produção: MARIANAs .

Quem são estas MARIANAs?


Mulheres, simplesmente. Apaixonadas. Escravas. Prisioneiras das suas emoções. Libertárias - porque se libertam de grilhetas culturais. Arrojadas. Vítimas. Cúmplices. Temerosas. E temerárias.

Conhecidas internacionalmente, traduzidas por Rilke, citadas por Papini, as Cartas Portuguesas constituem um canto sobre a paixão, matizado por diferentes andamentos.


Em MARIANAs , será dada especial atenção à terceira carta, onde são evidentes a desilusão, o engano, o tormento, a incerteza, a fraqueza, a insatisfação da Mulher - uma mulher duplamente enclausurada, note-se - perante o objecto - não correspondido - da paixão .

Iremos também cruzar com esta outras Cartas , bem mais contemporâneas: as Novas Cartas Portuguesas – escritas por aquelas que ficaram conhecidas, com esta publicação, em 1974, pelas Três Marias: Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa - que, partindo do mote dado pela publicaçãção das Lettres Portugaises , constroem um exercício literário sobre a condição da mulher portuguesa ao longo dos tempos.





Selecção de textos/Interpretação
Gi Cañamero

Violoncelo
Halina Berezowvska

Canto
Isabel Moreira





ARTE PÚBLICA







O REGRESSO

Os amigos insistiram no regresso do “BEJA”.

O desejo íntimo também era grande…

Porque não dar vida de novo a este projecto?

Além das notícias do Alentejo voltamos a ter outros

temas interessantes e sempre a lembrança dos

bons Poetas Alentejanos e não só.

Assim decidimos voltar e esperar o bom acolhimento

de sempre dos Amigos que aqui encontrei e dos

novos que porventura nos visitem.

Abraços amigos