Avançar para o conteúdo principal

ARTE PÚBLICA




O MUNDO DA GENTE

...para todos os que tragam nos olhos uma mão cheia de feno e nas palavras um pintassilgo.


Pensa que o mundo está cheio de gente que luta
para que um rio de lodo não se atravesse entre a vida e o sonho.





Todos tivemos infância:
só que alguns, mais do que outros,
a perderam na distância.

Eduardo Olímpio




A Arte Pública, apresenta O MUNDO DA GENTE , a partir de textos de Um Girassol chamado Beatriz e de António dos Olhos Tristes do escritor Eduardo Olímpio.

Uma viagem sobre a ternura e as cumplicidades de que se tecem as relações humanas - nas diferenças e nas semelhanças .


A Arte Pública tem o prazer de encenar um autor que toca no coração das pessoas com a simplicidade das coisas ditas, porque vividas: Eduardo Olímpio.



Toca-nos a escrita deste autor porque, despida de artifícios literários, reveste de poesia as pequenas coisas do quotidiano e retém, com a marca da oralidade, a memória da infância retida num tempo e num espaço rural.



Eduardo Olímpio nasce e cresce no Baixo Alentejo – e será um observador pertinente do mundo que o cerca, chegando à escrita serena do adulto com o olhar limpo e fresco da criança.



Honra-nos levar a cena uma proposta dramática baseada nos textos de UM GIRASSOL CHAMADO BEATRIZ e de ANTÓNIO DOS OLHOS TRISTES – de um autor que merece ser divulgado.



Em termos dramaturgicos, iremos destacar, na montagem desta obra,

- a contextualização de uma época que já não é a dos meninos de hoje – a simplicidade dos jogos, a realidade da fome, um olhar diferente sobre a infância – uma criança que tem um emprego é uma sorte – os números do circo são quase ingénuos, as relações de poder estão muito presentes na estrutura social e profissional, etc.

- um olhar exterior sobre a variedade de tipos/personagens que é construtora do universo onde cada um se movimenta ao longo da vida – e, por isso, os três actores vão desdobrar-se, em apontamentos de múltiplos personagens:

- a verdadeira humanidade, presente no discurso e acção de António dos Olhos Tristes, a grande alma que tem olhar lúcido e crítico sobre a actuação dos homens.


Em cena no Teatro Pax-Julia, em Beja,


Maio | Sáb 26 / Dom 27 às 16.00h **

Maio | 28, 29 e 30 às 10.30h / 15.30h *

Junho | 2 às 15.00h**




Junho | 3 às 16.00h | Auditório do Museu de Fotografia de Seia

Junho | 7 às 16.00h | Centro Cultural de Fronteira***



* Sessões para as escolas – Marcação no PAXJULIA - Teatro Municipal de Beja


** Sessões para todo o público



*** TERRITÓRIOARTES



Para mais informação, contacte-nos.

pela arte pública
a Produção
Raúl Bule
964781436

Comentários

jocasipe disse…
parece-me bem! já ouvi comentários muito positivos sobre a peça, que já esteve em exibição no final de Abril.
Anónimo disse…
Alvito: Vereador do PSD denuncia situação de incompatibilidade no Município 07:00 22-05-2007

Mário Simões, denuncia "situação de incompatibilidade no município" de Alvito e considera que o vereador e o presidente da Assembleia Municipal, sócios da empresa “Manuel & José de Carvalho, Lda”, deveriam suspender os mandatos.

Mário Simões, vereador eleito pelo PSD na Câmara Municipal de Alvito, vem agora a público denunciar aquilo que considera ser uma situação de incompatibilidade.

Mário Simões denuncia aquilo que diz ser “uma relação comercial existente entre a empresa de materiais de construção civil “Manuel & José de Carvalho, Lda”, que é propriedade dos irmãos Raul e Manuel de Sousa Carvalho, Vereador e Presidente da Assembleia Municipal, respectivamente, e o Município de Alvito”.

Para o social-democrata Mário Simões “a proibição legal da relação comercial referida, e as consequências legais, vem consignada no regime jurídico de incompatibilidade e impedimentos de titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”, por isso, decidiu denunciar a situação ao Procurador Adjunto do Tribunal Judicial de Cuba, ao Tribunal Administrativo e Fiscal de Beja, ao Director Nacional da PJ, aos presidentes da Inspecção Geral da Administração do Território e da Inspecção Geral de Finanças e ainda ao Secretário de Estado Adjunto e da Administração Local.

Mário Simões considera que não se trata de nenhum ataque pessoal porque aquilo que está em causa é o cabal esclarecimento de uma situação que do seu ponto de vista é ilegal.

Perante esta situação, Mário Simões, afirma que o vereador e o presidente da Assembleia Municipal deveriam suspender os seus mandatos.

Contactado pela Voz da Planície, João Paulo Trindade, presidente da Câmara Municipal de Alvito, reconhece que Mário Simões já tinha colocado esta questão em reunião de Câmara. João Paulo Trindade admite ainda que o Executivo também já pediu pareceres às entidades competentes sobre esta questão e garante que quando as dúvidas surgiram foram suspensas todas as aquisições à empresa em causa. O autarca afirma ainda que neste momento aguarda as indicações da IGAT-Administração Geral da Administração do Território.

Inês Patola

in radio voz da planicie
jorge vicente disse…
parece-me ser uma peça fantástica!!!

um abraço
jorge
Anónimo disse…
Caro(a)s Bloggers,


A NEGRA TINTA EDITORIAL tem o grato prazer de lançar a obra “CÂMARA ESCURA (revelação), do poeta Joaquim Amândio Santos, com prefácio de António Lobo Xavier.

Sendo esta obra mais um trabalho nascido de um escritor cuja carreira foi lançada na blogosfera, a exemplo das edições previstas e possíveis no futuro próximo desta editora, será importante contarmos com a honra da presença de bloggers nas diversas acções de lançamento da obra.

Nesse sentido, solicitávamos indicação de morada ou preferência por receber o convite por mail para negratinta@gmail.com, bem como qual dos eventos escolhem para nos honrar com a sua presença.

Lançamento e Apresentações:

31 de Maio Funchal
8 de Junho Penafiel
14 de Junho FNAC Norteshopping, Porto
28 de Junho FNAC Chiado, Lisboa
5 de Julho FNAC Coimbra


Aproveitámos ainda para solicitar que qualquer manuscrito que entendam colocar à consideração desta editora para possível publicação, seja enviado por este mail, ao meu cuidado, estando previsto editarmos até 4 obras, nascidas na blogosfera, até Março de 2008.

Saudações Literárias,

Nélia Maria Pereira
Edições e Comunicação
NEGRA TINTA EDITORIAL
agua_quente disse…
Belas iniciativas, aí na tua terra. E tu, sempre atento.
Beijos

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij