quarta-feira, maio 09, 2007

BEBIDO O LUAR

Salvador Dali






Bebido o luar, ébrios de horizontes,
Julgamos que viver era abraçar
O rumor dos pinhais, o azul dos montes
E todos os jardins verdes do mar.

Mas solitários somos e passamos,
Não são nossos os frutos nem as flores,
O céu e o mar apagam-se exteriores
E tornam-se os fantasmas que sonhamos.

Porquê jardins que nós não colheremos
Límpidos nas auroras a nascer,
Porquê o céu e o mar se não seremos
Nunca os deuses capazes de os viver.



(Sophia de Mello Breyner Andresen)

5 comentários:

Fuser disse...

Lu

maravilhosa Sophia...

hoje é dia de Stevie.

beijos

fuser

gato_escaldado disse...

Divina Sofia...

Abraços

daplanicie disse...

Magnífica escolha, tanto da poetisa como da poesia. Bom fds, patrício alentejano

Moinante disse...

Não sei se ainda constam nos manuais de Português ,poemas de Sophia , no meu tempo , a par de outros poetas nacionais , constava .

Votos de um bom fim de semana .

Abraços .

Teresa David disse...

Foi um enorme prazer reler tanto este poema como o do Torga. É bom termos á mão autores e obras e qualidade para nos dourarem os dias.
Bjs
TD