GRAVURA ALENTEJANA




Por entre casas brancas
Sol e distância
Por entre oliveiras e vinhedos
Ânsias e medos
Por entre espigas e bolotas
A espuma dos olhos
Na terra seca e no calor
O sabor a suor
Nas almas sem mistério
A luz apenas como refrigério
E na dor das horas imoladas
Silêncio e nada.


Autor: José A. Palma Caetano
Foto de Aguinaldo Vera-Cruz

Comentários

Kalinka disse…
Olá Amigo
estive a 2 passinhos do Alvito. É verdade, fui durante 4 dias fazer umas mini-férias pelo Alentejo profundo. Cada vez adoro mais a planície alentejana.

Pelo kalinka poderás ler sobre o «Même» que recebi:
"Para ser grande, sê inteiro:
nada Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa.
Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim, em cada lago a LUA toda
Brilha, porque alta vive.
"Ricardo Reis"

Beijinhos.
Isabel-F. disse…
uma bela paisagem ...

gostei imenso

bjs e bom fim de semana
A. Caeiro disse…
Bonita foto e muito bem acompanhada.
1abraço.

Mensagens populares deste blogue

ACORDANDO

ALDA GUERREIRO

ANRIQUE PAÇO D'ARCOS - UM POETA PORTUGUÊS...