Avançar para o conteúdo principal

A MORTE DE MADRUGADA





UMA CERTA madrugada
Eu por um caminho andava
Não sei bem se estava bêbedo
Ou se tinha a morte n’alma
Não sei também se o caminho
Me perdia ou encaminhava
Só sei que a sede queimava-me
A boca desidratada.
Era uma terra estrangeira
Que me recordava algo
Com sua argila cor de sangue
E seu ar desesperado.
Lembro que havia uma estrela
Morrendo no céu vazio
De uma outra coisa me lembro:
... Un horizonte de perros
Ladra muy lejos del río...




De repente reconheço:
Eram campos de Granada!
Estava em terras de Espanha
Em sua terra ensangüentada
Por que estranha providência
Não sei... não sabia nada...
Só sei da nuvem de pó
Caminhando sobre a estrada
E um duro passo de marcha
Que em meu sentido avançava.
Como uma mancha de sangue
Abria-se a madrugada
Enquanto a estrela morria
Numa tremura de lágrima
Sobre as colinas vermelhas
Os galhos também choravam
Aumentando a fria angústia
Que de mim transverberava.



Era um grupo de soldados
Que pela estrada marchava
Trazendo fuzis ao ombro
E impiedade na cara
Entre eles andava um moço
De face morena e cálida
Cabelos soltos ao vento
Camisa desabotoada.
Diante de um velho muro
O tenente gritou: Alto!
E à frente conduz o moço
De fisionomia pálida.
Sem ser visto me aproximo
Daquela cena macabra
Ao tempo em que o pelotão
Se punha horizontal.



Súbito um raio de sol
Ao moço ilumina a face
E eu à boca levo as mãos
Para evitar que gritasse.
Era ele, era Federico
O poeta meu muito amado
A um muro de pedra-seca
Colado, como um fantasma.
Chamei-o: Garcia Lorca!
Mas já não ouvia nada
O horror da morte imatura
Sobre a expressão estampada...
Mas que me via, me via
Porque em seus olhos havia
Uma luz mal-disfarçada.



Com o peito de dor rompido
Me quedei, paralisado
Enquanto os soldados miram
A cabeça delicada.



Assim vi a Federico
Entre dois canos de arma
A fitar-me estranhamente
Como querendo falar-me
Hoje sei que teve medo
Diante do inesperado
E foi maior seu martírio
Do que a tortura da carne.
Hoje sei que teve medo
Mas sei que não foi covarde
Pela curiosa maneira
Com que de longe me olhava
Como quem me diz: a morte
É sempre desagradável
Mas antes morrer ciente
Do que viver enganado.



Atiraram-lhe na cara
Os vendilhões de sua pátria
Nos seus olhos andaluzes
Em sua boca de palavras.
Muerto cayó Federico
Sobre a terra de Granada
La tierra del inocente
No la tierra del culpable.
Nos olhos que tinha abertos
Numa infinita mirada
Em meio a flores de sangue
A expressão se conservava
Como a segredar-me: A morte
É simples, de madrugada...


Vinicius de Moraes

Comentários

Papoila disse…
Vim cheirar um pouco da planicie ... a ver se agarro girassóis perdidos, encontro Vinicius de Morais, poesia profunda.
~
beijos
bf
Isabel-F. disse…
belissimo ...

bjs e boa semana
Anónimo disse…
Jantar da Associação Cantinho dos Animais de Beja

Sexta-feira – 20 de Julho
Pelas 20.30 horas
Restaurante “Manjar do Rei”
(Centro Comercial D. Manuel I, perto do “Jardim de Bacalhau”)


Marcações: No próprio restaurante ou pelo tlm 934454683
Custo do Jantar: 11€ por pessoa. Inclui: Entradas, dois pratos (carne e peixe), bebidas (excepto bebidas brancas e garrafas), café e sobremesa.
Nota: No acto da inscrição é necessário deixar um sinal de 5€.
Mais informações: 967788295

Contamos com a vossa presença!
bitu disse…
Garcia Lorca...Vinicius de Morais...bela escolha....só podia vir mesmo do Alentejo.
beijocas e boa semana
Manel do Montado disse…
De pé, embora não me vejas, aplaudo este teu post por tudo de bom e até de mau que me recorda.
Parabéns, está extraordinário este poema de Vinicius dedicado à memória de Garcia Lorca, barbaramente assassinado pelas hordas falangistas de Franco.
Um abraço
peciscas disse…
Quem melhor do que o imortal Vinicius para cantar esse ignóbil assassinato do poeta de Granada?
Um Momento... disse…
Vinicius...que tanto gosto
Parabéns , por relembrar
Beijo ... bem aí(*)
Entre linhas... disse…
O grande imortal Vinicius...
adorei.
Bjs Zita
Menina_marota disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Menina_marota disse…
Vinicius a "cantar" uma morte, cuja crueldade do seu fuzilamento, não será esquecida e viverá através das suas palavras para todo o sempre.


Um abraço

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij