Avançar para o conteúdo principal

MUITAS VEZES TE ESPEREI...






Muitas vezes te esperei, perdi a conta,
longas manhãs te esperei tremendo
no patamar dos olhos. Que me importa
que batam à porta, façam chegar
jornais, ou cartas, de amizade um pouco
- tanto pó sobre os móveis tua ausência.

Se não és tu, que me pode importar?
Alguém bate, insiste através da madeira,
que me importa que batam à porta,
a solidão é uma espinha
insidiosamente alojada na garganta.
Um pássaro morto no jardim com neve.

Nada me importa; mas tu enfim me importas.
Importa, por exemplo, no sedoso
cabelo poisar estes lábios aflitos.
Por exemplo: destruir o silêncio.
Abrir certas eclusas, chover em certos campos.
Importa saber da importância
que há na simplicidade final do amor.

Comunicar esse amor. Fertilizá-lo.
"Que me importa que batam à porta..."
Sair de trás da própria porta, buscar
no amor a reconciliação com o mundo.

Longas manhãs te esperei, perdi a conta.
Ainda bem que esperei longas manhãs
e lhes perdi a conta, pois é como se
no dia em que eu abrir a porta
do teu amor tudo seja novo,
um homem uma mulher juntos pelas formosas
inexplicáveis circunstâncias da vida.

Que me importa, agora que me importas,
que batam, se não és tu, à porta?

Fernando Assis Pacheco
(de Cuidar dos Vivos)

Foto de Galerie von Karl-Heinz

Comentários

MARIA disse…
Lumife,
Que sorte tão grata a minha, abrir, agora, esta página e ler este poema maravilhoso, conjugado com o poema da música de fundo que tens colocado e que é também belíssimo.É isso mesmo, os olhos do nosso amor são sempre janelas abertas sobre o infinito ...
Eu, Maria, também certifico, com amizade, que neste blog se abrem aos amigos janelas para o infinito ! E para demonstrá-lo, deixei-te outro certificado no meu blog...
Beijinhos
Maria.
Teresa David disse…
Mais um escritor com obra meritória que há muita ninguém fala, logo, acho muito positivo teres aqui trazido um dos seus poemas, embora lhe prefira a prosa.
Bjs
TD
Lisa disse…
Oi Lu...

Muito lindo o post...

PS: "Muitas vezes te esperei, perdi a conta,
longas manhãs te esperei tremendo
no patamar dos olhos."

Lu...salvei a imagem pra mim tá?!

Lindo final de semana com doçura pra ti...

Beijoss...
jorge vicente disse…
caro amigo,

tão bonito este poema!!

um grande abraço
jorge
Um Momento disse…
Lindo poema , tão intenso
Gostei imenso...
Beijo de dia lindo agradecido por tão intensos sentires
(*)
peciscas disse…
O Fernado foi um homem e um poeta que viveu intensamente e depressa. Mas deixou rasto!
Não tenho palavras para descrever o poema que escolheste para partilhar connosco!

Meu amigo, Obrigada pelas palavras deixadas no meu cantinho... Mas vai buscar o certificado.. Foi oferecido a todos..

Vá.. Vai lá!!!

Beijinhos da

Maria valadas
TMara disse…
foi bom trazeres hoje o Assis Pacheco. Andamostão "distraídos"...
e um belo poema dos muitos k ele escreveu.
Bjs de luz e paz e bom f.s amigo
Papoila disse…
Lindo poema ..
Esperamos sempre abrir a porta da nossa vida a quem nunca se lembra de nela bater e, não ouvimos quem a medo pede que a deixemos encostada.

Beijinhos Lumife

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij