Avançar para o conteúdo principal

TERNURA



Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentado
Pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras dos véus da alma...
É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta, muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade o olhar
extático da aurora.


Poema de Vinicius de Moraes

Foto de Jacek Pomykalski

Comentários

Kalinka disse…
AMIGO

VINICIUS DE MORAES - SEMPRE.
BELA POESIA.

Mais um fim de semana que passou e eu, continuo negra por dentro...mas, a tua companhia virtual faz pequenas maravilhas nas 24 horas do dia.
Desta vez, recebi mais um prémio e um «desafio» respondi o melhor que pude, que foi revelar os 7 acontecimentos marcantes na minha vida! Podem ser marcados pela positiva como pela negativa.

Boa semana.
Beijitos azuis (em homenagem ao meu neto que faz esta semana o seu 1º aninho de Vida).
MARIA disse…
Olá Lumife,
Sempre linda a poesia que nos dedicas.
Os poetas são sempre extraordinários : para o amor não há qualquer perdão. Para a falta de amor é que deverá haver. Só deve ser perdoado quem não ame , ou não se permita ser amado.
Um beijinho
Maria
Papoila disse…
nos braços da ternura eu repousei.. e também pedi perdão.

beijinhos
BF
Vieira Calado disse…
Ouvir o Zeca e ler Vinicius, que melhor para esta noite de segunda feira?
Um abraço.
Anónimo disse…
Excelente......!!!
Aprovado.....pela Intemporalrs

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij