Avançar para o conteúdo principal

Antigamente havia em mim...

Foto de Mariah-Olhares



Antigamente havia em mim um nome gravado a fogo e eu
morria por ele. Eu fechava os olhos e o nome pedia-me a luz,
a manhã, a música. Antigamente eu imaginava a delicadeza,
as florestas, os bosques reduzidos ao silêncio pelos subterrâneos

da tarde, e ser tocado no rosto era ser ferido por uma imensa
beleza, pelos olhos da planície, como um animal adormecido,
como um lugar onde deitar a cabeça e adormecer sonhando
com o deserto. No deserto eu estava a salvo, caminhando nos

declives e havia palavras imensas, palavras como o trigo e o mar
e as raízes e os relâmpagos e um rosto e os campos do Outono
e isso era como ficar cego no meio da luz estremecendo entre
as poeiras, as cores da manhã, as veredas dos bosques. E eu olho

fixamente esse rosto de fogo, toco uma vez essas mãos, amo
demoradamente a distância, comovo-me perdido na sua
voz, enquanto passa no mundo uma estranha ventania.



Francisco José Viegas

Comentários

MARIA disse…
Este poema é sublime.
Declamado por ti deveria resultar como uma voz formada no encanto das palavras infinitamentes belas.
Obrigada.
A música de fundo também produz o mesmo efeito arrebatador.
Um beijinho.
Maria
elsa nyny disse…
oLÁ!!!!

Convido-te a escrever uma CARTA POR DARFUR!
http://eu-estou-aki.blogspot.com

bjts
Olhos de mel disse…
Olá meu amigo! Como sempre um belo poema!
Que sua semana seja de grandes realizações
Beijos
Olá, grata pela visita ao meu cantinho.
Este poema é lindíssimo;
Adorei!!!!!!!!!
Uma boa semana!
Beijinhos!
Fernandinha
JOSÉ NEVES disse…
Um poema fabuloso, palavras verdadeiramente mágicas.

Parabéns e um Abraço.
jorge vicente disse…
um grande poema!!!

o francisco josé viegas publicou entretanto alguns poemas numa antologia em que participa o "nosso" poeta José Félix.

O link é este:

http://antologiadoesqeucimento2.blogspot.com/2006_03_01_archive.html

um abraço
jorge
peciscas disse…
Excelente o texto e a música que por aí se ouve.
Naeno disse…
Lindo poema. Diria mais, repetidas vezes, a mesma frase.

Um abraço
Naeno
carla granja disse…
olá! é de facto um poema belo e do qual gostei muito e a musica tmb acompanha a leitura.
espero k me venhas visitar:)
uma boa semana para ti
bjo
carla granja
RCataluna disse…
Muito bonito!

Abraço e boa semana!

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij