Mais uma noite, amor

Foto de Alina Lebedeva





Mais uma noite, amor. Ao recordar-te
retomo os fins do mundo, a cinza, os dias
manchados de outras lágrimas. Sabias
como eu a cor das sombras, essa arte

que nos engana agora e se reparte
por esquinas e cafés. Já não me guias
os muitos passos vãos, as fantasias
da minha falsa vida. Vou deixar-te

fugindo-me. Na chuva, sem ninguém,
apenas alguns vultos, o que vem
«e dói não sei porquê» - este deserto

onde te vejo, imagem outra vez,
até de madrugada. O que me fez
sentir o muito longe aqui tão perto?



Fernando Pinto do Amaral

Comentários

peciscas disse…
Mais um poema que descreve, melancolicamente, sentimentos e evocações íntimas.
Muito boa a imagem.
Isa&Luis disse…
Olá,

Linda imagem, belas palavras emoções ao rubro.

Hoje é dia de festa no VirtualRealidade(dois anos de felicidade) vem partilhar da nossa alegria.

Beijinhos

Isa
MARIA disse…
Lumife, que poema tão intenso. Tão bonito.
Descreve com palavras vivas, sentimentos que certamente experimenta quem ama ou já amou.
Gostei muito.
Um beijinho especial para ti.
Maria
MARTA disse…
Poema interessante, muito íntimo, muito intenso ....
Obrigada pela partilha.
Obrigada pela visita..
Beijos e abraços
Marta

P.S.: O seu nome também não me é desconhecido. Terá sido no Angel Bar?

Mensagens populares deste blogue

ACORDANDO

ALDA GUERREIRO

ANRIQUE PAÇO D'ARCOS - UM POETA PORTUGUÊS...