domingo, setembro 02, 2007

O PALÁCIO DA VENTURA




Sonho que sou um cavaleiro andante.
Por desertos, por sóis, por noite escura,
Paladino do amor, busco anelante
O palácio encantado da Ventura!


Mas já desmaio, exausto e vacilante,
Quebrada a espada já, rota a armadura...
E eis que súbito o avisto, fulgurante
Na sua pompa e aérea formosura!


Com grandes golpes bato à porta e brado:
Eu sou o Vagabundo, O deserdado...
Abri-vos, portas d’ouro, ante meus ais!


Abrem-se as portas d’ouro, com fragor...
Mas dentro encontro só, cheio de dor,
Silêncio e escuridão – e nada mais!


Autor - Antero de Quental


Foto - William Chapman

3 comentários:

Isa&Luis disse...

Boa noite, com poesia!

Boa escolha! Gostei muito de reler :))

Beijinhos

Isa

MARIA disse...

Olá Lumife,
Como é bonito e profundo este poema de Antero de Quental. Também muito triste.
Espero que não seja esse o teu estado de alma. Ou, caso seja, que logo , logo, alguma coisa tão bela como o poema, traga conforto e amor, que substituam nos ultimos versos as palavras mais tristes.
Um beijinho
Maria

jorge vicente disse...

todos somos cavaleiros andantes, no meio do silêncio

um abraço
jorge

OS AMANTES DE NOVEMBRO

Ruas e ruas dos amantes Sem um quarto para o amor Amantes são sempre extravagantes E ao frio também faz calor Pobres amantes escorraça...