terça-feira, outubro 02, 2007

Fado Saudade

Foto de Nina de Villeneuve





O Sol da minha ventura,
Era dado p’la ternura
Com que viveste a meu lado.
E os beijos que tu me deste
Tinham o gosto silvestre
A mel, a rosas e a fado.


Mas decorreram os anos,
Vieram mil desenganos,
E perdidos no caminho,
Vivemos a pena imensa
Desta imerecida indiferença
De cada um estar sozinho.


Solidão nos meus sentidos,
Mágoa dum tempo perdido,
Quantas vezes já morri?
Sonhos não realizados,
Remorsos dos meus pecados…

Tenho saudades de ti!



Orlando Fernandes (Fronteiras do Sonho)

10 comentários:

Doutroladodomar disse...

Ai, ai, vocês portugueses!!!Lindo. Bj

LEONOR C. disse...

A poesia é linda! Por vezes até chegamos a ter saudades do que nos magoou "o sol da minha ventura,/ era dado p'la ternura/com que viveste ameu lado.../

Depois ficam os sonhos não realizados, fuca a solidão... O poema tocou-me!
Já tenho saudades de te ver por aqui!

Abraços

Charlie disse...

Você é imenso, amigo Lumife. Só quem conhece a fundo a poesia sabe escolher o melhor de entre os bons.
Magnifico!
Um abraço forte.

Carlos

Parvinha da Silva disse...

"o sonho comanda a vida". Ai de nós quando assim não é. Passamos a existir. Somente.

Isabel-F. disse...

bem lindo este poema que me deste a conhecer ...


beijinhos

De Amor e de Terra disse...

Um fado de corpo inteiro!
Gostei! Sabe realmente a fado!!!

Beijo

Maria Mamede

Olinda Bonito disse...

tinha saudades dum poema de Orlandes Fernandes.trouxeste um muito lindo.
lembra-me: «olho as linhas desenhadas .......que em rotas desencontradas............»
beijo

Paula Raposo disse...

Adorei este poema!!

Paulo Sempre disse...

Há neste poema uma intensidade atroz...que alicerça em nós uma certa melancólia que só se explica num paradoxo pretérito/preste. Há, também, neste poema, Saudades...silêncios e sombras que, acabam por dar "vida" ao remorso.
Depois da leitura do poema, já nem sei com que voz cantarei o meu próprio fado...

Abraço
Paulo

Paulo Sempre disse...

*digo, presente