quinta-feira, outubro 11, 2007

Sem Saída

Foto de Alex Krivtsov





Da tua sombra nasce a minha luz
do teu puro silêncio a minha fala
e ainda é teu o olhar que me seduz
no presságio do sono que me embala


Queria poder amar-te sem motivo
já sem corpo nem alma nem passado
quando só tu me provas que estou vivo
no teu sorriso mais que desesperado


Vem ter comigo, vem, enquanto a vida
nos abandona à flor do seu segredo:
ambos sabemos que não há saída


fora do nosso amor – ainda é cedo
e a noite é uma criança distraída
até ficarmos sós: não tenhas medo



Fernando Pinto do Amaral (A Luz da Madrugada)





Fernando Pinto do Amaral nasceu em Lisboa em 1960. Frequentou a Faculdade de Medicina, mas abandonou o curso, vindo a licenciar-se em Línguas e Literaturas Modernas, concluindo o Mestrado e o Doutoramento em Literatura Portuguesa.

É Professor do Departamento de Literaturas Românicas da Faculdade de Letras de Lisboa. Publicou, desde 1990, cinco livros de poesia, dois volumes de ensaio e traduziu poemas de Baudelaire, Verlaine, Jorge Luis Borges e Gabriela Mistral.

Prefaciou edições de poesia de Camões, Bocage, Antero de Quental, Cesário Verde, Ruy Cinatti, Tomaz Kim e Luís Miguel Nava, entre outros. Alguns dos seus poemas estão traduzidos e publicados em espanhol, francês, neerlandês, alemão, checo, inglês, búlgaro e turco.

Área de Serviço e Outras Histórias de Amor é a sua estreia no domínio da ficção narrativa.

A Luz da Madrugada é o seu mais recente livro de poesia.


10 comentários:

Peter disse...

O poeta tem razão:
"não há saída"

Obrigado pelo currículo do Francisco Simões e obrigado pela visita ao "Peter's", de vez em quando lembro-me que ele existe, pois passo o tempo no "conversas".

MARIA disse...

Meu querido amigo LUMIFE :
Parabéns antes de mais por este post. É lindo o poema, a imagem. Há uma conjugação harmónica de ambos perfeita que resulta num belo momento estético.
Mas olha, meu amigo, o teu Poeta precisa passar numa loginha para melhor graduação dos óculos...
Há sempre para tudo uma saída. Se não a vemos, importa perceber o que nos perturba a visão das coisas.
Para o amor então, há sempre uma saída. Pelo menos entrada, garantidamente há...
Depois ... depois é só ir vivendo...
Um beijinho.
Um dia feliz como maior ânimo que o teu Poeta...
Maria

Sol da meia noite disse...

E que lindo que é este poema!

"Da tua sombra nasce a minha luz
do teu puro silêncio a minha fala"
Algo que vou guardar...

Beijinhos!

Olhos de mel disse...

Um poema doce e lindo que nos oferece. Obrigada, viu? Da tua sombra nasce a minha luz... Precisa dizer mais?
Fique com Deus!
Beijos

Um Momento disse...

Lindo Poema
Grata pela divulgação:))
Belo Post:))

Deixo um beijo
(*)

Lisa disse...

Olá Lu...

"Da tua sombra nasce a minha luz
do teu puro silêncio a minha fala
e ainda é teu o olhar que me seduz
no presságio do sono que me embala"


Mto lindo o poema...

Desejo pra vc dia lindo com ternura...

Beijoss...

jorge vicente disse...

muito bom poema!!!

um grande abraço
jorge

Palavras ao vento disse...

Mais um momento de poesia de qualidade, partilhada por ti!

Foi bom conhecer o curriculum deste poeta, assim como o poema!

Obrigada meu querido amigo Lumife.

Beijos da

Maria

Alexandre disse...

Fotografei há uns tempos atrás o Fernando na apresentação de um livro de Isabel Moreira, filha de Adriano Moreira, e achei-o uma pessoa fantástica, de uma cultura e uma postura irrepreensíveis!

Fiquei com curiosidade em ler o livro dele!

Um abraço!!!

disa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.