domingo, outubro 14, 2007

Cinzas do Tempo

Foto Paulo Madeira-Olhares



A maré, a vazante,

O mar retirante

Recua diante

Da minha tristeza,

Presa de lembranças,

Represa de imagens,

Personagens, história

Que desenhei na memória

Com as cinzas do tempo.

Um dia de sol,

Trevas na alma,

Um momento, uma calma,

A pausa na dor.

Um alento, uma passagem,

Entre o amor e a amargura,

Entre a culpa e a tortura.

A frescura, a brisa

Me seduz, me abraça,

Festeja, me envolve

E assim me devolve a paz

Que deseja ficar

Mas, fraqueja e passa.

Um dia de sol,

A praia, a vida,

Na contrapartida

O escuro, o mergulho

Na saudade antiga,

Amiga, inimiga,

Refúgio, pensar,

Que agora me obriga

A rever e chorar.





FRANCISCO SIMÕES

SONHO DOMADO

. Sei que é preciso sonhar.  . Campo sem orvalho, seca  A frente de quem não sonha. . Quem não sonha o azul do voo perde seu poder de pá...