Avançar para o conteúdo principal

A MULHER







Ó mulher! Como és fraca e como és forte!
Como sabes ser doce e desgraçada!
Como sabes fingir quando em teu peito
A tua alma se estorce amargurada!

Quantas morrem saudosas duma imagem
Adorada que amaram doidamente!
Quantas e quantas almas endoidecem
Enquanto a boca ri alegremente!

Quanta paixão e amor às vezes têm
Sem o nunca confessarem a ninguém
Doces almas de dor e sofrimento!

Paixão que faria a felicidade
Dum rei; amor de sonho e de saudade,
Que se esvai e que foge num lamento!


Florbela Espanca

Comentários

Um Momento disse…
E como Florbela sentia o que dizia:))
Lindas flores... linda partilha...
Muito obrigada!
Beijo Grande e sorridente por estares de volta:)))))))))

(*)
Miminho do bebé disse…
Ser MULHER é tudo isso...
mas acho que devia existir o dia do HOMEN


bejs
Olá meu querido amigo Lumife, linda homenagem á mulher... Eu agradeço-te!!!
Quantas vezes nos encanta, um momento que se forma
no silêncio das palavras
que não dizes,
ao abraço que não negas,
mesmo quando no meu canto
com carinho eu espero-te.

Beijinhos de carinho e amizade.
Fernandinha
TMara disse…
De uma mulher poara as outras. Poema muito marcado pelo papel social da mulher do estado novo e igreja católica, "of course",de k imensas raízes sobrevivem .
Obrigada meu amigo. Bjs luz e paz em v/ f.s.
Isabel-F. disse…
Lindo poema que escolheste para o dia de hoje ...


fica o meu Obrigada


beijinhos
tufa tau disse…
tantas lágrimas numa só mulher... só
Teresa David disse…
Ainda bem que reapareceste no teu blog e logo neste dia tão especial para nós Mulheres e porque não também para vós Homens que sem nós estariam amputados?
Está lindo o blog e que dizer do poema senão que é da Florbela uma das poetisas que mais gosto e de quem sei alguns poemas de côr.
Bjs
TD
Jofre Alves disse…
Florbela Espanca é sempre boa opção para o Dia da Mulher. Boa semana.
Gi disse…
Boa escolha para este dia especial.
(vejo que aa imagens em ponto grande pegaram por aqui :) )

Um beijinho grande
grilinha disse…
Lindas rosas com um belo poema.

beijinhos
cõllybry disse…
Que bom que voltou...e belo presente a nós Seres Mulheres...

Meu bem haja

E meu doce beijo
Brancamar disse…
Lumife, Já cá passei ontem, mas tive tantas homenagens à mulher para comentar, inclusuvé uma outra tua que não esta que só hoje atentei bem neste belíssimo poema de Florbela ESpanca. Belíssimo mesmo! Quanto amor não albergamos muitas vezes assim no nosso peito, sem um lamento, só pelo prazer de amar,
Bem-hajas.
Beijinho
Ecos... disse…
No dia da mulher... estava no nosso Alentejo!

Foi um presente bem merecido...


Não pude deixar de comentar agora... porque o poema e a tua homenagem, merecem um beijo de ternura.

Maria

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij