Avançar para o conteúdo principal

CONTRA A INDIFERENÇA E O MEDO,

O Grito - Munch - 1893



Na primeira noite, eles se aproximam
e colhem uma flor de nosso jardim.
E não dizemos nada.


Na segunda noite, já não se escondem,
pisam as flores, matam nosso cão.
E não dizemos nada.


Até que um dia, o mais frágil deles, entra
sòzinho em nossa casa, rouba-nos a lua,
e, conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.


E porque não dissemos nada,
já não podemos dizer nada.



Vladimir Maiakovski



..........................***********************....................





Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro


Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário


Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável


Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei


Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo


Bertold Brecht



..............................*************************.......................




Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.
Como não sou judeu, não me incomodei.


No dia seguinte, vieram e levaram
meu outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei.


No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico.
Como não sou católico, não me incomodei.


No quarto dia, vieram e me levaram;
já não havia mais ninguém para reclamar...


Martin Niemoller



..........................*************************.....................


Primeiro eles roubaram nos sinais, mas não fui eu a vítima,

Depois incendiaram os ônibus, mas eu não estava neles,

Depois fecharam ruas, onde não moro,

Fecharam então o portão da favela, que não habito,

Em seguida arrastaram até a morte uma criança, que não era meu filho...



Cláudio Humberto

Comentários

Marta disse…
Poemas bem elucidativos...
Obrigada pela partilha...
Beijos e abraços
Marta
Entre linhas... disse…
Poemas que demonstram bem o flagelo...obgridado pelo testemunho.
Bjs Zita


Ontem também fiz um post sobre as faculdades cogntivas "dispersadas"á quel tem a ver com a sociedade em que vivemos.
José Gomes disse…
Poemas sempre actuais... pena é que o pessoal continue ainda hoje a assobiar para o céu, fazendo de conta que tudo está bem.
Obrigado pela partilha.
Um abraço,
José Gomes
jorge vicente disse…
nem tudo está bem, mas temo-nos uns aos outros.

a poesia é sempre para partilhar, assim como a pele e o coração

um abraço forte
jorge
Odele Souza disse…
É preciso rebelar-se contra esta situação de inércia do tipo "não foi comigo, vou ficar quieto, calado, indiferente!.

Temos que soltar a voz e nos rebelarmos contra todo e qualquer desrespeito aos direitos humanos, seja ele praticado conosco ou com o parente, o vizinho, o amigo.
É preciso ir com tudo e com todos 'CONTRA A INDIFERENÇA E O MEDO".

Um abraço.
Peter disse…
Só conhecia o do Brecht e o do Niemoller.
Obrigado pelos pps que me vais enviando.
José Rasquinho disse…
Basteante incisivas e, infelizmente, bastante reais!!!!!
Gritos que precisam ser ouvidos!!!!
Abraço.
aDesenhar disse…
oportuno o teu post,
em tempos conturbados
onde proliferam
a indiferença e o medo
em sociedades que se dizem civilizadas!

abraço
Brancamar disse…
Belo post Lumife!
Já tinha recebido por e-mail, mas nunca é demais reler e dar a conhecer a toda a gente. São textos fortes que nos abanam a conscência e nos obrigam a estar mais alerta.
Fica bem.
Beijinhos
TMara disse…
sempre um murro no estômago porque iinfelizmente as cabeças continuam com estas dicotomias criadoras de preconceitos e discriminações.
bja amigo
Paula Raposo disse…
Excelentes...nunca nos devemos calar.
Tiana de Souza disse…
Retratou bem o medo que invade a sociedade. Parabéns!

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij