Avançar para o conteúdo principal

ALEGORIA FLORAL

Foto de Alberto Viana de Almeida - Olhares


Um dia em que a mulher nasça do caule da roseira
que cresce no quintal; ou um dia em que a nuvem
desça do céu para vestir de névoa os seus
seios de flor: seguirei o caminho da água nos
canteiros que me levam ao caule, e meter-me-ei
pela terra em busca da raíz.


Nesse dia em que os cabelos da mulher se
confundirem com os fios luminosos que o sol
faz passar pela folhagem; e em que um perfume
de pólen se derramar no ar liberto da névoa:
procurarei o fundo dos seus olhos, onde corre
uma transparência de ribeiro.


Um dia, irei tirar essa mulher de dentro da flor,
despi-la das suas pétalas, e emprestar-lhe o véu
da madrugada. Então, vendo-a nascer com o dia,
desenharei nuvens com a cor dos seus lábios, e
empurrá-las-ei para o mar com o vento brando
da sua respiração.


Depois, cobrirei essa mulher que nasceu da roseira
com o lençol celeste; e vê-la-ei adormecer, como
um botão de rosa, esperando que a nuvem desça
do céu para a roubar ao sonho da flor


Nuno Júdice
(O Estado dos Campos)
(Dom Quixote)


Comentários

O Micróbio II disse…
Uma ode à mulher, uma ode à rosa... :-)
sagher disse…
uma rosa verdadeira suponho, que de rosas falsas estamos fartos
MARIA disse…
Lumife, fiquei fascinada com este post. Obrigado!
Inspirando-me na beleza sublime das palavras e da imagem, fiz uma imagem exclusivamente para ti.
Está no meu blog. Um beijinho muito amigo.
Bom fim de semana.
Maria
Paula Raposo disse…
Uma fotografia tão bela! Um poema maravilhoso...adorei! Muitos beijos.
Olhos de Mel disse…
Oie meu amigo lindo! Apesar de difícil, estou tentando um retorno ao blog. Mas a saudade dos amigos me faz voltar. E ainda bem que cheguei, em tempo de ler um lindo poema! Uma linda homenagem a mulher!
Bom fim de semana!
Beijos
Sónia Pessoa disse…
Belo texto, belo blog. aparece cá pelo nosso cantinho:

http://oslivrosqueninguemquisdaraler.wordpress.com

http://tachospanelasecolheresdepau.wordpress.com

Abraço,

Sónia Pessoa
JOSÉ FARIA disse…
No seio das pétalas está a virtude!
RCataluna disse…
Excelente!! Muito bom!!

Abraço!
jorge vicente disse…
que bonito!

um abraço
jorge
MARIA disse…
É mesmo fascinante este post, Lumife.Tudo o que publicas é excelente e recordo posts dos teus blogs que carregaram muita emoção.
Este é único.
De uma beleza harmoniosa especialíssima porque juntas ao olhar e ao ouvido palavras que acariciam qualquer coração.
Parabéns Lumife.
Tens uma bicicleta no meu blog para percorreres o teu Alentejo lindo.
Um beijinho.
Maria
Gi disse…
belíssima a conjugação das palavras com a imagem

Nuno Júdice, talvez um dos melhores poetas contemporâneos vivos da nossa praça.

Obrigada por este bocadinho

Um beijinho

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij