quarta-feira, setembro 24, 2008

PETIÇÃO PELO RESGATE PARA PORTUGAL, DOS MILITARES MORTOS NA GUERRA DO ULTRAMAR / GUERRA COLONIAL.





Exmo. Sr. Presidente da Assembleia da República Portuguesa,

As cidadãs e cidadãos abaixo assinados pretendem que o Estado Português cumpra o dever patriótico de trasladar para Portugal – para as suas terras de origem, de onde partiram para a Guerra do Ultramar / Guerra Colonial - os restos mortais dos Combatentes que morreram ao serviço da Pátria e ficaram enterrados em campas espalhadas pelos antigos territórios ultramarinos.


Assim, e ao abrigo do Decreto-Lei nº. 43/90, de 10 de Agosto, com as alterações que lhe foram introduzidas pela Lei nº. 6/93, de 1 de Março, pela Lei nº 15/2003, de 4 de Junho e pela Lei nº. 45/2007 de 24 de Agosto, subscrevemos o requerimento, proposto pelo “Movimento Cívico de Antigos Combatentes”, a enviar à Assembleia da República para:

1 – Que seja decretada a trasladação para Portugal dos restos mortais dos militares mortos e abandonados em terras africanas, em cumprimento do mais elementar desígnio das nações civilizadas e para dignificar a memória dos que morreram ao serviço da Pátria.
2 – Que esses restos mortais sejam trasladados para Portugal, entregues às respectivas famílias e/ou depositados junto do Monumento Nacional aos Combatentes, em local apropriado e digno.

Até esta situação estar resolvida, as Comemorações do 10 de Junho – Dia de Portugal e das Comunidades - continuarão ensombradas pela ausência daqueles que, lutando sob a bandeira de Portugal, por ela deram o sacrifício máximo, a própria vida.

Apoiam esta Petição, além dos subscritores da mesma, muitas associações de Antigos Combatentes e outras Instituições.


Se estiveres de acordo com o assunto desta petição, por favor ajuda na sua divulgação, colocando no teu blog, site ... enviando para os teus contactos. Clica aqui para leres e assinar a PETIÇÃO
(N/nº 763)

terça-feira, setembro 23, 2008

APOPLEXIA DA IDEIA - LANÇAMENTO





lançamento do livro "Apoplexia da Ideia" de
Maria Quintans com ilustrações de João Concha
no próximo dia 26 de Setembro, na FNAC do Chiado, às 18.30h.
edição da Papiro Editora.

JORGE VICENTE - CONVITE









CONVITE DE JORGE VICENTE:

Meus queridos amigos,

como bem sabem, lancei o meu primeiro livro Ascensão do Fogo no dia 26 de Abril, em Vila Nova de Gaia. Agora, alguns meses depois, este será apresentado em Lisboa, na Livraria Trama, sita na Rua São Filipe Nery, nº 25B, bem junto ao Rato. A data de apresentação do livro será no próximo sábado, dia 27 de Setembro, pelas 21.30.

Conjuntamente comigo, será apresentado também o livro de poesia do actor, encenador e poeta José Gil, já um velho companheiro das escritas. O livro chama-se Fractura Possível.

Em princípio, o meu livro será apresentado pelo jovem poeta Rui Sousa, um dos principais contribuidores da fanzine Actéon, da qual também faço parte. A apresentação do livro do Gil estará a cargo do poeta José Félix.

O momento musical estará a cargo de Fernando Dinis, jovem compositor e, também, poeta. Foi editado em 2003 pela Hugin Editores (Dá-me-te) e já publicou em várias antologias de poesia. Tem um blog (http://www.ficoatetardenomundo.blogspot.com/) e um site no myspace (http://profile.myspace.com/index.cfm?fuseaction=user.viewprofile&friendID=123494151).

Serão declamadas poesias dos livros pelos autores, por outros poetas e por quem se ousar a desbravar as palavras através do som.

O meu muito obrigado
Jorge Vicente


quarta-feira, setembro 17, 2008

JORGE VICENTE





Hoje trago a esta galeria "Dando Voz Aos Poetas" o meu amigo JORGE VICENTE.

Gostaria de possuir um pouco da cultura que preenche este Amigo e o dom da palavra para o poder apresentar condignamente.
Na ausência dessas qualidades arrisco, no entanto, a apresentá-lo como um Poeta promissor já com obra publicada (Ascensão do Fogo), escritor, crítico de cinema e de música. Convido-vos a visitar o seu blog AMORALVA e a colher ali todo um manancial de conhecimentos e opiniões que JORGE VICENTE partilha connosco.

Também aproveito a ocasião para o felicitar pelo seu aniversário que festeja hoje desejando-lhe muitas felicidades.

Um grande abraço do amigo

Lumife




Algumas palavras de JORGE VICENTE retiradas do seu blog AMORALVA:


o meu corpo é da carne do alentejo:
a flor, sedenta, apenas dá fruto
quando o poema anoitece e o
descampado se revela
na sua ascese de séculos

jorge vicente


====*****====


gabriel. deixa-me escrever-te um poema. um poema que diga do meu nome, da sabedoria inerente a todas as coisas. dessas pequenas palavras que só os justos conhecem, como se fosse algo imanente ao mundo. e partisse dele. e o rebentasse.

deixa-me ser um rebento azul. anterior à terra e à sementeira das águas. nunca poderei ser mãe. nem pai. apenas um invólucro de giz envolto em mil pontos de luz.

deixa-me escrever-te um poema, como se fosse uma carta. ou um rol de pedidos dirigido às mais altas entidades. nunca perceberei o significado de ser pai ou mãe. ou uma terra aberta no desfloramento da alma.

anuncia o teu amor. anuncia-me. e cai. cai como se fosses único, como se a cor vermelha não te afligisse e visses o homem no lugar do anjo.

jorge vicente


==== **** ====


o casario estendia-se muito para além do silêncio das casas. era noite e a madrugada adormecia os homens, pequenos pontos vermelhos que iluminavam a grande noite alentejana. o vento carpia nuvens de fogo, alimentado por corpo de trovoada, que circundava os homens. e as suas paredes de cal, construídas quando o sol ainda era pleno e a grande estrela do oriente iluminava silves, a bem-amada.

o casario estendia-se e a queimada carpia no incêndio de deus, mais antigo que as casas, mas submisso ao amor e à memória.

Jorge Vicente


==== **** ====


na casa da minha avó, havia paredes e mobílias velhas, pequenos segredos guardados por dentro, cheios daquelas memórias simples que evocamos sempre que ouvimos trovoada.

na casa da minha avó, escondíamo-nos debaixo dos lençóis brancos, feitos de tecido antigo, da época da monarquia, numa era em que a pedra representava a montanha e o rio a memória.

na velha casa, a serra parecia parir fogo e a criança que era em mim pensou tratar-se de vulcão. eram apenas faíscas que se lançavam da cruz alta, com o fantasma d'el rei d.fernando olhando serenamente para o repouso silente dos homens.

no velho moinho e na velha casa, a minha avó dormia. e o rei guardava a serra, mirando o seu belo trabalho artístico e ajuntando os meus lábios ao rasto dos dedos que esculpiam a pedra.

Jorge Vicente


==== **** ====


na mais antiga noite do mundo,
silêncio haveria sempre,
silêncio de palavras,
como se a rocha ainda não esvaziasse
o sentido da pele,

da pele clara e seca da terra,
da terra simples e boa
que os antigos cultivavam ao raiar da treva.

na mais antiga noite do mundo,
só restaria a pedra e o mar
encapelado da palavra
encoberta.

Jorge Vicente



domingo, setembro 14, 2008

FLÁVIA VIVENDO EM COMA - BLOGAGEM COLECTIVA






Para se acreditar na Justiça é necessário que se faça justiça no caso de Flávia, Vivendo em Coma...



Blogagem Colectiva para Flávia em 9/Set/2008


segunda-feira, setembro 08, 2008

SAGHER

Foto de Marco Niemi-Olhares



Escuta o murmúrio do tempo,
Ouve o sussurro do mar
Liberta teus sonhos no vento
Ama quem amas e deixa-me amar
Que a guia da minha pena
Não se chama inspiração
Ela guiada pelo sonho
É Alimento da paixão
Tanto tempo sem te ver
Faz-te viva no lembrar
Nego o poeta Francês ( Avec le temp........)
O tempo não deixa de amar
E se o mundo dos sentidos
Impõe a sua razão
Recordar lábios perdidos
É tocar a tua mão.

( sagher )


***** ... ***


Sonhei o passado.
Memória de ti.
Estava a teu lado;
Mas não estavas ali.

Sonhei o futuro.
Momento sem ti.
Não estava a teu lado;
Mas tu estavas ali.

Olhei o presente.
Vivido sem ti.
Não estás a meu lado;
Mas eu estou ai

(sagher)


**** ::::: *****


Eu quero enlaçar todo o teu corpo
Tocar-te o espírito, roubar-te a alma
Quero ter-te a ti como meu porto
Num entardecer em tarde calma.
Quero embriagar-me com teu perfume
Ficar insano, perder o nexo,
Beijar-te os seios e fazer lume
Incendiar-te o ventre, tomar-te o sexo.


Manuel F.C. Almeida



**** :::: ****


Quase que o tempo
Suprimia o odor
Adocicado do teu corpo
E a candura aveludada
Dos teus lábios.
Mas as mãos vieram
Resgatar-te na memória
Do corpo
E o tempo revelou-te
Num quadro
Que vive nos rios
Das nossas muralhas.

Manuel Filipe Carvalho de Almeida



Mergulhei no blog AVEC LE TEMPS percorrendo os quatro anos que Sagher leva a partilhar connosco o que lhe vai na alma e recolhi alguns poemas para vos despertar o desejo de visitar este sítio da blogosfera onde reina a poesia.