Avançar para o conteúdo principal

JORGE VICENTE





Hoje trago a esta galeria "Dando Voz Aos Poetas" o meu amigo JORGE VICENTE.

Gostaria de possuir um pouco da cultura que preenche este Amigo e o dom da palavra para o poder apresentar condignamente.
Na ausência dessas qualidades arrisco, no entanto, a apresentá-lo como um Poeta promissor já com obra publicada (Ascensão do Fogo), escritor, crítico de cinema e de música. Convido-vos a visitar o seu blog AMORALVA e a colher ali todo um manancial de conhecimentos e opiniões que JORGE VICENTE partilha connosco.

Também aproveito a ocasião para o felicitar pelo seu aniversário que festeja hoje desejando-lhe muitas felicidades.

Um grande abraço do amigo

Lumife




Algumas palavras de JORGE VICENTE retiradas do seu blog AMORALVA:


o meu corpo é da carne do alentejo:
a flor, sedenta, apenas dá fruto
quando o poema anoitece e o
descampado se revela
na sua ascese de séculos

jorge vicente


====*****====


gabriel. deixa-me escrever-te um poema. um poema que diga do meu nome, da sabedoria inerente a todas as coisas. dessas pequenas palavras que só os justos conhecem, como se fosse algo imanente ao mundo. e partisse dele. e o rebentasse.

deixa-me ser um rebento azul. anterior à terra e à sementeira das águas. nunca poderei ser mãe. nem pai. apenas um invólucro de giz envolto em mil pontos de luz.

deixa-me escrever-te um poema, como se fosse uma carta. ou um rol de pedidos dirigido às mais altas entidades. nunca perceberei o significado de ser pai ou mãe. ou uma terra aberta no desfloramento da alma.

anuncia o teu amor. anuncia-me. e cai. cai como se fosses único, como se a cor vermelha não te afligisse e visses o homem no lugar do anjo.

jorge vicente


==== **** ====


o casario estendia-se muito para além do silêncio das casas. era noite e a madrugada adormecia os homens, pequenos pontos vermelhos que iluminavam a grande noite alentejana. o vento carpia nuvens de fogo, alimentado por corpo de trovoada, que circundava os homens. e as suas paredes de cal, construídas quando o sol ainda era pleno e a grande estrela do oriente iluminava silves, a bem-amada.

o casario estendia-se e a queimada carpia no incêndio de deus, mais antigo que as casas, mas submisso ao amor e à memória.

Jorge Vicente


==== **** ====


na casa da minha avó, havia paredes e mobílias velhas, pequenos segredos guardados por dentro, cheios daquelas memórias simples que evocamos sempre que ouvimos trovoada.

na casa da minha avó, escondíamo-nos debaixo dos lençóis brancos, feitos de tecido antigo, da época da monarquia, numa era em que a pedra representava a montanha e o rio a memória.

na velha casa, a serra parecia parir fogo e a criança que era em mim pensou tratar-se de vulcão. eram apenas faíscas que se lançavam da cruz alta, com o fantasma d'el rei d.fernando olhando serenamente para o repouso silente dos homens.

no velho moinho e na velha casa, a minha avó dormia. e o rei guardava a serra, mirando o seu belo trabalho artístico e ajuntando os meus lábios ao rasto dos dedos que esculpiam a pedra.

Jorge Vicente


==== **** ====


na mais antiga noite do mundo,
silêncio haveria sempre,
silêncio de palavras,
como se a rocha ainda não esvaziasse
o sentido da pele,

da pele clara e seca da terra,
da terra simples e boa
que os antigos cultivavam ao raiar da treva.

na mais antiga noite do mundo,
só restaria a pedra e o mar
encapelado da palavra
encoberta.

Jorge Vicente



Comentários

batista disse…
parabéns ao Jorge Vicente e a ti, Amigo! - pela partilha generosa.

deixo um abraço fraterno.

ps. irei visitar o espaço do Jorge Vicente, sem dúvida!
Lisa disse…
Oláaa Luís...

Cultura...sabedoria e outras lindas qualidades com certeza vc possui sim...é um lindo post...

Um maravilhoso dia e uma semana regada de sucesso e amor pra ti...

Jinhusss...
Olhos de mel disse…
Oie lindo! Parabéns ao Jorge Vicente! Não apenas pelo aniver´sario, mas pelos escritos brilhantes. Gosto muito da simplicidade de palavras que tão bem descreve sentimentos! Quanto a cultura, saiba: pessoas cultas e sábias, são capazes de dar voz aos poetas.
Beijos
Linda homenagem a Jorge Vicente!
Merecida sem dúvida alguma.
Um bjinho para o Jorge que faz anos hoje.
Vieira Calado disse…
Poema e gravura de alta qualidade.
Abraço.
José Rasquinho disse…
Já hoje tive oportunidade de enviar um abraço ao Jorge pelo seu aniversário, e agora volto a dar-lhe os parabéns a ele e a ti, pelo trabalho e pela a homenagem!!!
Ambos merecem a minha admiração!!!!!
Baby disse…
Muito bom! Seja qual for o estilo, revela a sua cultura e a sua sensibilidade.
Obrigada por teres partilhado connosco.
Um abraço.
aDesenhar disse…
pelos textos que apresentaste
gostava de assistir
a esta interessante
Bienal de Jorge Vicente,
mas como sabes são muitos kms
a percorrer.
:-)

abraço amigo
jorge vicente disse…
obrigado, querido amigo, por este valioso presente e pela tua partilha. eles estão cá dentro, daquilo a que eu chamo alma.

um grande abraço. e já lá vão 34 anitos!!!!

jorge
Paula Raposo disse…
Parabéns ao Jorge com um dia de atraso! Gosto do que ele escreve, embora não o visite há bastante tempo! Estes excertos são excelentes. Obrigada. Beijos a ambos.
Beatriz disse…
Meu querido: atualizei a leitura, pois o tempo tem-me sido ingrato, cerceando minha vontade de visitar com assiduidade os amigos a quem tanto prezo.

Continuo a indagar: e teus poemas? Quando os fará publicar? Bem sei que os tens guardado num cofre a sete chaves (rs). Quando nos darás a alegria de lê-los por aqui?

Parabéns ao teu amigo Jorge Vicente, não só pelo aniversário como também pela excelente qualidade da sua poesia.

Enviei-te meu email (meireles_beatriz@hotmail.com), como pediste, mas até hoje não tive o prazer de receber nenhum mimo teu, como fazias com a Calunguinha (rs).

Deixo-te, querido amigo, um ramalhete de violetas azuis atado com o sorriso de lindos anjos, para enfeitar a tua semana.

Deixo também um beijo no coração dizendo do meu afeto e carinho.
Peter disse…
Desconhecia Jorge Vicente. É agradável de ler.
peciscas disse…
Embora não chegue a tempo para dar ao Jorge os parabéns pelo aniversário, aqui os deixo, de qualquer modo, pelo seu talento.
Olhos de mel disse…
Meu amigo lindo! Vim lhe ver e desejar uma boa semana! Beijos

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij