sexta-feira, janeiro 16, 2009

APAGOU-SE...





Apagou-se, por fim, o incerto lume,
que, em volta do meu ser, ainda ardia,
e o velho alfange, de inquietante gume,
cortou o voo que meu sonho erguia.

Apagou-se, por fim, o lume incerto…
e fiquei-me entre as urzes, hesitante,
no local que pr’a o além era o mais perto
e pr’a voltar a mim o mais distante.

Abandonada, então, essa charneca,
vestida de silêncio, árida e seca,
rodeou-me a minha alma sonhadora.

Afastei-me. Acabei por me perder:
sem poder atingir o que quis ser
e sem poder voltar ao que já fora.


Alfredo Guisado




Alfredo Pedro de Meneses Guisado nasceu a 30 de Outubro de 1891 em Lisboa, onde faleceu a 2 de Dezembro de 1975. De ascendência galega, completou o curso de Direito, em 1921, na sua cidade natal, mas nunca exerceu a advocacia, dedicando-se antes ao jornalismo e à intervenção cívica: deputado do Partido Republicano Português, chegou a ser governador civil substituto e director-adjunto do diário «República».

Foto de Pedro Silveira-Olhares


4 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO LUMIFE, BELÍSSIMO SONETO... SIMPLESMENTE SUBLIME... GOSTEI DE CONHECER ESTE POETA... UM ABRAÇO DE CARINHO,
FERNANDINHA

Paula Raposo disse...

Gostei. Não conhecia. Obrigada pela partilha. Beijos.

De Amor e de Terra disse...

Obrigada Amigo Lumife. Não conhecia este autor e, que me lembre, nunca tinha lido nada dele; Gostei muito, muito mesmo!
Obrigada por mo (no-lo) dares a cionhecer.
Bj

Maria Mamede

Lmatta disse...

o teu conjunta está lindo
beijos