Avançar para o conteúdo principal

QUERO


foto de Catarina Krug



Quero

Nos teus quartos forrados de luar
Onde nenhum dos meus gestos faz barulho
Voltar.
E sentar-me um instante
Na beira da janela contra os astros
E olhando para dentro contemplar-te,
Tu dormindo antes de jamais teres acordado,
Tu como um rio adormecido e doce
Seguindo a voz do vento e a voz do mar
Subindo as escadas que sobem pelo ar.

Sophia Mello Breyner Andresen


Comentários

Dois Rios disse…
Poema sublime. A Sophia de M.B. Andresen tem o dom de transformar o mar num doce, belo e suave(a)mar.

Beijo,
Inês
Isabel-F. disse…
nunca me canso de ler a poesia de Shopia.


bjs
...e em Sophia, sempre o mar por perto, dito (escrito) duma maneira sublime.

Bj Amigo

Maria Mamede
Paula Raposo disse…
Maravilhoso este poema tal como muitos, muitos outros da Sophia. Beijos.
Maria Valadas disse…
Mais uma boa escolha... e desta vez. encanta-nos com um belo poema de Sophia de M.B.

Beijo da Maria
Nilson Barcelli disse…
A poesia da Sophia é sublime e este poema não foge à regra.
Obrigado pela partilha.
Abraço.
Brancamar disse…
Lumife,

Li maravilhada este poema, mesmo sem o conhecer antes fui-o achando genial a cada verso e cheguei ao fim, bem só podia ser mesmo de Sophia de Mello Breyner, sempre com o seu mar tão bem enquadrado nos sentimentos.
Este é ainda um poema em que os mais belos elementos da natureza como a lua, os astros, os rios, o vento e o próprio homem são genialmente sentidos.
Beijinhos
Branca
Ana Martins disse…
Muito lindo!!!
Todos nós sabemos que Sophia de M. B. Andersen é um grande poetisa.

Beijinhos e bom fim de semana,
Ana Martins
Adriana disse…
Maravilhoso!!


Acho que não é só eu que gostou de ler isto...

bjs e bom fim de semana!!
TMara disse…
Meu mui "crido" amigo-quase-parente, sentimos tua falta. Desejamos k não haja razões de saúde pelo meio.
Sabes um segredo?
Qnd for grande quero escrever assim bem e belo como a Sophia.
____________
_______
Deixo-te um desafio.
Está postado na minha casota.
Bom f.s.
Bjs
Luz e paz
Teresa David disse…
Não conseguiria dizer melhor do que a "dois Rios", mas foi exactamente o que também senti!
Bjs
TD
bitu disse…
A minha primeira visita no ano 2009, espero poder continuar a estar presente neste e noutros blogs que me encantam.
Bom ano
Bjk
luzdeluma disse…
Você foi muito feliz no casamento entre imagem e poema!! Como Isabel, também não me canso de ler Sophia. Beijus

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij