Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2009

O GRITO DA FOME

Imagem
O GRITO DA FOME


Murmureja, resfolga

Sente-se, penetra.

Tomai tento

Senhores, ricos,

Abastados, soberbos,

Indiferentes e apáticos.

Tende atenção

Governantes, políticos,

Estadistas e líderes.

O grito da fome

É um grito de alma

Não se trava, não se prende

É um grito que não pára.

O grito da fome

Não suporta a indiferença

É a miséria revoltada

É a criança esfomeada,

É o idoso abandonado,

É o trabalhador desempregado.

CIDADÃOS:

ESCUTAI O GRITO DA FOME.

Lumife aos 26 de Julho de 2009

OPERÁRIO EM CONSTRUÇÃO

Lançamento da antologia de poesia "Entre o Sono e o Sonho - Vol2

Imagem
Uma obra literária que surge com o intuito de prestigiar e distinguir

alguns poetas portugueses, integrando nomes consagrados e emergentes,

promovendo simultaneamente a criação poética contemporânea.

Este evento terá lugar no Café In (Avenida Brasília, Pavilhão Nascente,

n.º 311 - Lisboa) a 25 de Julho, Sábado, pelas 19h30.


O projecto foi criado e desenvolvido pelo Portal Lisboa e apoiado e

editado pela Chiado Editora, uma jovem casa de edição que rapidamente se

tornou numa editora de referência em Portugal.


A entrada para o evento é livre. Pelo que incentivamos todos os Autores a

convidar quem entenderem para assistir ao lançamento da obra.

Poema de: Rogério Martins Simões - Uma eternidade nos espera

Surgiu agora na net, em vídeo, um trabalho de Misteriosa do Brasil. É uma homenagem ao amigo Rogério Martins Simões que continua a deslumbrar-nos com a sua poesia no blog POEMAS DE AMOR E DOR .

Associo-me com todo o gosto a essa homenagem transcrevendo o poema e colocando o vídeo.



UMA ETERNIDADE NOS ESPERA…

Rogério Martins Simões

Quando tu e eu saltávamos em andamento,
Numa corrida estreita, para a existência,
Havia um brilho, intenso, que cegava a escuridão externa.

Falávamos em língua redonda,
Imperceptível,
Que nos deixava latejar à distância do universo das palavras.
Éramos nada!
Éramos tudo!
Frequentávamos os mesmos colégios ricos,
Onde a riqueza se media pelo contágio,
Em resultado das vidas passadas.

Fazíamos parte de um grupo,
Sem forma,
Grande aos sentidos,
E sabíamos que iríamos viajar em busca da luz.
Éramos uma luz ténue…
E procurávamos um brilho permanente.

Entrámos por uma porta estreita
Onde formas sem luz
Reproduziam uma língua quadrada,
Sem nexo, herança de uma Torre de Babel,
Que tivemos de…
Imagem

Pedra Filosofal

Trova do vento que passa

É Preciso um País - Manuel Alegre e Carlos Paredes

José Afonso - Os Vampiros (ao vivo no Coliseu)

TAMBOR - JOSÉ CRAVEIRINHA

SAPATOS SUJOS - MIA COUTO

ALBANO NEVES E SOUSA - POETA E PINTOR - 1921 - 1995

RUI MINGAS "MONAGAMBÉ"

SAMBA PARA VINICIUS

Há Uma Hora - Mario Cesariny

Amores eu tenho - Amália Rodrigues e Natália Correia

CESÁRIO VERDE

A VIDA CONTINUARÁ - ÁLVARO GONÇALVES

JOÃO VILLARET - CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGIO -

ANGOLA - NAMBUANGONGO

O MEU PAÍS É UM SONHO SONHADO DE CONCEIÇÃO PAULINO

Imagem
CLIQUE NA IMAGEM PARA VER MELHOR



Dia 11 de Julho, 18H00/18H30, no Salão do Flor de Infesta, na cidade de S. Mamede de Infesta
dedicado:“ à população e à terra de S. Mamede de Infesta que há |quase| 35 anos, pela alma, me cativaram e fizeram com que aqui fixasse residência.”
*
Razões da dedicatória:
“Creio necessárias algumas palavras sobre as razões porque dedico este livro à população de S. Mamede em todas as suas formas organizativas.
(…)
Tenho sessenta e quatro anos de vida extra-uterina. Destes |quase| trinta e cinco anos aqui foram vividos. Em S. Mamede de Infesta tive o meu grande envolvimento de cidadania política activa ocupando cargos autárquicos (a nível concelhio e de freguesia) bem como associativos. Aqui cresceram minhas três filhas. Boas razões creio
(…) Mas a razão maior não é esta.
Radica no passado.
(…) Deixei-me levar pelas brisas. Caminhei pelas ruas observando e cumprimentando. Escutando as conversas.
Ouvindo as vozes das almas.
Bebi are…

POEMA DOS OLHOS DA AMADA

DOCE AMARGURA

SOPHIA - CINCO ANOS DE SAUDADE

Imagem
Sophia de Mello Breyner morreu há cinco anos, cumpridos hoje.


A hora da partida soa quando
Escurece o jardim e o vento passa,
Estala o chão e as portas batem, quando
A noite cada nó em si deslaça.

A hora da partida soa quando
as árvores parecem inspiradas
Como se tudo nelas germinasse.

Soa quando no fundo dos espelhos
Me é estranha e longínqua a minha face
E de mim se desprende a minha vida.



**************** *******************


Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo

Mal de te amar neste lugar de imperfeição
Onde tudo nos quebra e emudece
Onde tudo nos mente e nos separa



****************** ********************


Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.