Avançar para o conteúdo principal

Lançamento da antologia de poesia "Entre o Sono e o Sonho - Vol2




Uma obra literária que surge com o intuito de prestigiar e distinguir

alguns poetas portugueses, integrando nomes consagrados e emergentes,

promovendo simultaneamente a criação poética contemporânea.

Este evento terá lugar no Café In (Avenida Brasília, Pavilhão Nascente,

n.º 311 - Lisboa) a 25 de Julho, Sábado, pelas 19h30.


O projecto foi criado e desenvolvido pelo Portal Lisboa e apoiado e

editado pela Chiado Editora, uma jovem casa de edição que rapidamente se

tornou numa editora de referência em Portugal.


A entrada para o evento é livre. Pelo que incentivamos todos os Autores a

convidar quem entenderem para assistir ao lançamento da obra.

Comentários

pin gente disse…
obrigada!
acredito que vai ser uma obra bonita.
um beijo
luísa
Brancamar disse…
Estas Antologias são sempre muito interessantes. Eu própria já participei em duas,numa altura em que não haviam tantas editoras a apoiar estas publicações. Foi com o esforço de Luís Filipe Soares, um homem muito interessado nas letras e na poesia que tal se fez, a partir de Lisboa e a última ou uma das últimas reuniu autores de diversos países, incluindo alguns nomes consagrados.
Tenho pena de não estar mais perto, mas um dia qualquer havemos de nos conhecer nestes caminhos da poesia ou quem sabe da fotografia.
Fiz essa tentativa num encontro do Olhares que houve cá no Porto, na Praça Carlos Alberto, num lançamento creio que de um livro de fotografias do site, suponho que vieste, mas por motivos familiares acabei por não estar presente. Há muito que tenho uma inscrição no Olhares mas nunca coloquei lá fotografias, abri-a através de um amigo e professor que é membro, porque também há muito ando para me dedicar à actividade fotográfica, mas sobre isso irei falar-te breve por mail.
Um grande beijinho.
Até breve.
Branca

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij