Avançar para o conteúdo principal

O GRITO DA FOME





O GRITO DA FOME


Murmureja, resfolga

Sente-se, penetra.

Tomai tento

Senhores, ricos,

Abastados, soberbos,

Indiferentes e apáticos.

Tende atenção

Governantes, políticos,

Estadistas e líderes.

O grito da fome

É um grito de alma

Não se trava, não se prende

É um grito que não pára.

O grito da fome

Não suporta a indiferença

É a miséria revoltada

É a criança esfomeada,

É o idoso abandonado,

É o trabalhador desempregado.

CIDADÃOS:

ESCUTAI O GRITO DA FOME.

Lumife aos 26 de Julho de 2009


Comentários

Xavier Zarco disse…
Caro Lumife,
Sem palavras, infelizmente há imagens que só mesmo os poemas que se despojam do supérfulo conseguem dizer algo mais. Gritam as imagens, grita este seu poema. Que a estes gritos outros se juntem para que não se perca tempo com pretensas gripes epidémicas e outros divertimentos e falêmos de coisas que de facto interessam.
Um abraço
Xavier Zarco
MouTal disse…
Infelizmente estamos todos surdos...
Só uma explosão nos acordará.
Obrigado pelo poema.
paginadora disse…
Belo e duro este poema.E necessário também para acordar consciências. O grito da fome já há muito que se faz ouvir, embora haja quem teime em ignorá-lo.Não o ignoremos nós. Bjos.
Antónia Canivete
Graça disse…
Olá Lumife! Deves ser uma pessoa extremamente humana. Parabéns pelo teu poema. Como é possível que uns ganhem tantos milhões e outros morram à fome? só numa sociedade tão injusta isso é possível. Se a união faz a força pode ser um dia, quem sabe, todos juntos consigamos mudar o Mundo e os povos passem a viver em igualdade de modo a acabar a fome e a guerra. Um abraço. Graça
dida disse…
'"Estamos cegos", e sentou-se a escrever o "Ensaio sobre a Cegueira" para recordar a quem o viesse a ler que usamos perversamente a razão quando humilhamos a vida, que a dignidade do ser humano é todos os dias insultada pelos poderosos do nosso mundo, que a mentira universal tomou o lugar das verdades plurais, que o homem deixou de respeitar-se a si mesmo quando perdeu o respeito que devia ao seu semelhante.' Saramago.

A Humanidade, quase toda ela.
Dois Rios disse…
Ou seria o grito da indiferença?

Estarrecedor!

Beijo,

Inês
Pedrasnuas disse…
É VERGONHOSO, É ABSURDO, É MEDONHO ...É PAVOROSO QUE AINDA SE PERMITAM SEMELHANTES ABERRAÇÕES...ISTO A MIM REVOLTA-ME PROFUNDAMENTE...
AS IMAGENS SÃO ALTAMENTE CHOCANTES E AINDA BEM QUE O SÃO ,POIS DENUNCIAM A VERGONHA DO MUNDO EM QUE VIVEMOS

BEIJINHO E BOM DOMINGO

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij