quarta-feira, janeiro 27, 2010

A TI



Aos trinta e sete anos do teu corpo,
Às vinte e quatro horas da tua carne
E ao desejo que , às vezes, é tão pouco
E ao amor que, mesmo assim, ainda arde

Ao ciúme da tua boca, quando calas
Ao silêncio dos teus olhos, quando choras
E aos teus braços nus, quando me abraças
E ao teu ventre que é tão breve quando parto.

E às tuas esperanças vãs que eu alimento
E ao ópio do teu sonho onde me tardo,
E a ti onde, afinal, não aconteço....



FERNANDO TAVARES RODRIGUES

segunda-feira, janeiro 25, 2010

SE AS MINHAS MÃOS PUDESSEM DESFOLHAR




















Eu pronuncio teu nome
nas noites escuras,
quando vêm os astros
beber na lua
e dormem nas ramagens
das frondes ocultas.
E eu me sinto oco
de paixão e de música.
Louco relógio que canta
mortas horas antigas.

Eu pronuncio teu nome,
nesta noite escura,
e teu nome me soa
mais distante que nunca.
Mais distante que todas as estrelas
e mais dolente que a mansa chuva.

Amar-te-ei como então
alguma vez? Que culpa
tem meu coração?
Se a névoa se esfuma,
que outra paixão me espera?
Será tranqüila e pura?
Se meus dedos pudessem
desfolhar a lua!!

Garcia Lorca

domingo, janeiro 24, 2010

SABEDORIA




















Desde que tudo me cansa,
Comecei eu a viver.
Comecei a viver sem esperança...
E venha a morte quando
Deus quiser.

Dantes, ou muito ou pouco,
Sempre esperara:
Às vezes, tanto, que o meu sonho louco
Voava das estrelas à mais rara;
Outras, tão pouco,
Que ninguém mais com tal se conformara.

Hoje, é que nada espero.
Para quê, esperar?
Sei que já nada é meu senão se o não tiver;
Se quero, é só enquanto apenas quero;
Só de longe, e secreto, é que inda posso amar.
E venha a morte quando Deus quiser.

Mas, com isto, que têm as estrelas?
Continuam brilhando, altas e belas.


José Régio


sexta-feira, janeiro 22, 2010

Esquecerás, amor, a minha face...

foto de Nguyen Thai Phien



Esquecerás, amor, a minha face,
meu cavalo de fogo, meu navio,
e arderás no lume que perpasse
na angústia sepultada em cada rio?

Ver-te-ei, louca e pura, dizer: Dá-se
um cavalo de fogo e um navio
a quem me recordar a sua face
— mas não mais me acharás no longo rio?

Estrada sem memória no areal,
frase uma vez só dita, ou bem ou mal,
em mim a porta, amor, em ti a chave.

Toma-a… E abre ou fecha a porta ardente
de vez… Quero saber se esta semente
ainda será vento, flor ou ave.

PAPINIANO CARLOS

sexta-feira, janeiro 15, 2010

CONHEÇO O SAL







Conheço o sal da tua pele seca
depois que o estio se volveu inverno
da carne repousando em suor nocturno.

Conheço o sal do leite que bebemos
quando das bocas se estreitavam lábios
e o coração no sexo palpitava.

Conheço o sal dos teus cabelos negros
ou louros ou cinzentos que se enrolam
neste dormir de brilhos azulados.

Conheço o sal que resta em minha mãos
como nas praias o perfume fica
quando a maré desceu e se retrai.

Conheço o sal da tua boca, o sal
da tua língua, o sal de teus mamilos,
e o da cintura se encurvando de ancas.

A todo o sal conheço que é só teu,
ou é de mim em ti, ou é de ti em mim,
um cristalino pó de amantes enlaçados.


Jorge de Sena



Imagem de Talantbek Chekirov


segunda-feira, janeiro 11, 2010

SONETO


Soneto

Tempo das cerejeiras agressivas
A avançar pelo meu quarto dentro.
Velho tempo das noites explosivas
Em que o sangue crescia como o vento!

Tempo - aproximação das coisas vivas,
Do seu hálito doce, violento.
Tempo - horas e horas convertidas
No ouro raro e inútil dum lamento...

Tempo como ferida no meu lado,
Coração palpitando sobre a lama.
Tempo perdido, sangue derramado,

Resto de amor que se deixou na cama,
Horizonte de guerra atravessado
Pelo corpo audacioso duma chama.


Alexandre O'Neill, Poesias Completas, Assírio e Alvim

domingo, janeiro 10, 2010

AH, A NOSSA REDE...







[...]


Ah, a nossa rede


tão sede e tão mágoa...


Quem foi que a tirou


de dentro da água?


Que dedos inertes


e tão violentos,


secaram as ondas,


rasgaram os ventos,


e à terra , tão lisa


de amorosos laivos,


roubaram a viva


rede de outros lábios...




Raul de Carvalho - Poeta nascido em Alvito-Bx.Alentejo

1920/09/04 - 1984/09/03


in Poesia

sábado, janeiro 09, 2010

E QUE VENHA A NOITE...






Presenteia-me o riso de teus olhos
a ténue luz de teu sorriso
o milagre de teu nome
em minha boca.

Presenteia-me a umidade de teus beijos
o tíbio manto de teu abraço
o mar embravecido de teu corpo
junto ao meu.

Presenteia-me o amanhecer de tuas paixões
o espelho frágil de tuas chuvas
tua inocência feita mulher
com minhas carícias.


Presenteia-me teu amor
amor
e que venha a noite...




CARLOS ENRIQUE UNGO

Tradução Maria Teresa Almeida Pina



terça-feira, janeiro 05, 2010

IN LIMINE








Estes meus versos são daquela hora
De tardes invernais em que se traça,
Frente ao mar, muita coisa na vidraça,
Enquanto a chuva fria cai lá fora…

Ouvindo o vento – bandolim que chora
Não sei que mágoa que no ar perpassa
– No vidro baço a alma é que esvoaça
Em rabiscos sem rumo, como agora…

É sonho o que no vidro embaciado
O poeta escreveu e que se esfuma
Por si mesmo, desfeito e apagado…

E não valeu a pena este sonhar!
-É que os meus versos são irmãos da bruma
Que se esvai, à deriva, sobre o mar…

OLIVEIRA SAN-BENTO


Oliveira San-Bento: Poeta Açoreano -21 de Abril de 1893/22 de Janeiro de 1975.

-Advogado;
- Poeta;
- Prosador;
- Orador;
- Jornalista (Polígrafo);
- Benemérito e Dirigente de Associações de Solidariedade Social e de Interesse Público