domingo, janeiro 10, 2010

AH, A NOSSA REDE...







[...]


Ah, a nossa rede


tão sede e tão mágoa...


Quem foi que a tirou


de dentro da água?


Que dedos inertes


e tão violentos,


secaram as ondas,


rasgaram os ventos,


e à terra , tão lisa


de amorosos laivos,


roubaram a viva


rede de outros lábios...




Raul de Carvalho - Poeta nascido em Alvito-Bx.Alentejo

1920/09/04 - 1984/09/03


in Poesia

2 comentários:

Jorge Manuel Mendes dos Santos disse...

Parle-moi

L’avenir de l’Homme

“Parle-moi de la pluie qui’ci tombe”,
Enquanto caminhamos, ignorando,
À beira do fim, como quem o sabe,
E apenas finge, ter esquecido:


-A poeira galga, que and’á solta,
No deserto d’sede, depois irrompe,
Na auréola duma lua lamacenta
-Nestes sinais da extinção a galope


E não longe d’uma sinistra ameaça.
-O homem parido aqui já sem crença
No cosmos seja lá ond’ele acabe.


"Dis-moi de l’arme de Ceres qui’ci tombe"
Lúcida e calma, todas…mansas e breves
Filhas das guerras e caindo a nossos pés.


Jorge Santos

jorge vicente disse...

rede viva de outros lábios...

um grande abraço
jorge