sexta-feira, janeiro 22, 2010

Esquecerás, amor, a minha face...

foto de Nguyen Thai Phien



Esquecerás, amor, a minha face,
meu cavalo de fogo, meu navio,
e arderás no lume que perpasse
na angústia sepultada em cada rio?

Ver-te-ei, louca e pura, dizer: Dá-se
um cavalo de fogo e um navio
a quem me recordar a sua face
— mas não mais me acharás no longo rio?

Estrada sem memória no areal,
frase uma vez só dita, ou bem ou mal,
em mim a porta, amor, em ti a chave.

Toma-a… E abre ou fecha a porta ardente
de vez… Quero saber se esta semente
ainda será vento, flor ou ave.

PAPINIANO CARLOS

1 comentário:

jorge vicente disse...

será ave
ave que chora
ri
e É!