segunda-feira, janeiro 25, 2010

SE AS MINHAS MÃOS PUDESSEM DESFOLHAR




















Eu pronuncio teu nome
nas noites escuras,
quando vêm os astros
beber na lua
e dormem nas ramagens
das frondes ocultas.
E eu me sinto oco
de paixão e de música.
Louco relógio que canta
mortas horas antigas.

Eu pronuncio teu nome,
nesta noite escura,
e teu nome me soa
mais distante que nunca.
Mais distante que todas as estrelas
e mais dolente que a mansa chuva.

Amar-te-ei como então
alguma vez? Que culpa
tem meu coração?
Se a névoa se esfuma,
que outra paixão me espera?
Será tranqüila e pura?
Se meus dedos pudessem
desfolhar a lua!!

Garcia Lorca

3 comentários:

AC disse...

É sempre um prazer ler Lorca.

Jaime A. disse...

Como posso eu escrever acerca do amor se há (sim... a escrita imortaliza) que o escreva desta maneira?
Obrigado pela partilha-

jorge vicente disse...

e eles podem!...