domingo, junho 20, 2010

AO AMOR ANTIGO

Foto de Anna Kondakova



O amor antigo vive de si mesmo,
Não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige nem pede. Nada espera,
Mas do destino vão nega a sentença.

O amor antigo tem raízes fundas,
Feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
E por estas suplanta a natureza.

Se em toda parte o tempo desmorona
Aquilo que foi grande e deslumbrante,
O antigo amor, porém, nunca fenece
E a cada dia surge mais amante.

Mais ardente, mas pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
E resplandece no seu canto obscuro,
Tanto mais velho quanto mais amor.


Carlos Drummond de Andrade

4 comentários:

Magnólia disse...

Lindo.

Milan Kem-Dera disse...

Olá!

Há já algum tempo que sigo o seu blogue. Silencioso. Deliciando-me com a sua escrita e as suas imagens.
Os meus sinceros parabéns!

http://insustentavelbelezadosseres.blogspot.com/

Este é um pequeno convite para que visite este meu cantinho das liberdades! E do divertimento, também!

Não precisa bater, a porta está sempre aberta!

Rosa Brava disse...

"O amor antigo tem raízes fundas,
Feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
E por estas suplanta a natureza."

A maravilhosa sensibilidade poética de Drummond de Andrade.

Adoro este poema.
Grata pela partilha.
Bj :-)

air max nike disse...

Thank you very much for this article!
For a long time I have done exactly what you warn against. This article

was a slap in the face - but a needed one.
That being said, what is the value of an intuitive explanation? Is it to

give a lay person an "ah-ha" moment? Is it good to have SOME

understanding, even if it is "vague and mush?"
air max 2009
air max shoes
air max 90