Avançar para o conteúdo principal

SI TÚ ME OLVIDAS





Quiero que sepas
Quero que saibas

una cosa.
uma coisa.


Tú sabes cómo es esto:
Tu sabes como é isto:

si miro
se olho

la luna de cristal, la rama roja
a lua de cristal, a folhagem vermelha

del lento otoño en mi ventana,
do lento outono em minha janela,

si toco
se toco

junto al fuego
junto ao fogo

la impalpable ceniza
a impalpável cinza

o el arrugado cuerpo de la leña,
ou o enrugado corpo da lenha,

todo me lleva a ti,
tudo me leva a ti,

como si todo lo que existe,
como se tudo o que existe,

aromas, luz, metales,
aromas, luz, metais,

fueran pequeños barcos que navegan
fossem pequenos barcos que navegam

hacia las islas tuyas que me aguardan.
para as ilhas tuas que me aguardam.


Ahora bien,
Agora bem,

si poco a poco dejas de quererme
se pouco a pouco deixas de querer-me

dejaré de quererte poco a poco.
deixarei de querer-te pouco a pouco.


Si de pronto
Se de repente

me olvidas
me esqueces

no me busques,
não me procures,

que ya te habré olvidado.
que eu já terei te esquecido.


Si consideras largo y loco
Se consideras excessivo e louco

el viento de banderas
o vento de bandeiras (*)

que pasa por mi vida
que passa por minha vida

y te decides
e te decides

a dejarme a la orilla
a deixar-me à margem

del corazón en que tengo raíces,
do coração em que tenho raízes,

piensa
pensa

que en ese día,
que nesse dia,

a esa hora
a essa hora

levantaré los brazos
erguerei os braços

y saldrán mis raíces
e sairão minhas raízes

a buscar otra tierra.
a procurar outra terra.


Pero
Mas

si cada día,
se cada dia,

cada hora
cada hora

sientes que a mí estás destinada
sentes que a mim estás destinada

con dulzura implacable.
com doçura implacável.

Si cada día sube
Se cada dia sobe

una flor a tus labios a buscarme,
uma flor a teus lábios a buscar-me,

ay amor mío, ay mía,
ai amor meu, ai minha,

en mí todo ese fuego se repite,
em mim todo esse fogo se repete,

en mí nada se apaga ni se olvida,
em mim nada se apaga nem se esquece,

mi amor se nutre de tu amor, amada,
meu amor alimenta-se de teu amor, amada,
y mientras vivas estará en tus brazos
e enquanto vivas estará em teus braços

sin salir de los míos.
sem sair dos meus.






(*) "Viento de banderas" - metáfora usada por Neruda significando um acontecimento que passa mas que deixa marcas.

Poema transcrito do Blog Paixão e Romance.

Foto de Tomasz

Comentários

BRANCAMAR disse…
Olá Lumife,

Sempre um prazer vir ao teu sítio.
Neruda é um marco na história da poesia, deslumbrante lê-lo em todos os momentos.

Este poema é um espanto em cada verso.

Beijinhos
Branca
Danny Baioco disse…
Achei seu blog mt interessante.
Comecei um há algum tempo, c pudr, de uma passadinha
será mt bm vindo!!

http://cabecafeminina.blogspot.com

Desde já agradço e parabéns pelo blog ;)

Mensagens populares deste blogue

Cantiga para não morrer de Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve. 
.
Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.
.
Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.
.
E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento,
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.
.
Ferreira Gullar

Como a noite descesse...

Como a noite descesse e eu me sentisse só,
só e desesperado diante dos horizontes que se fechavam,
gritei alto, bem alto: ó doce e incorruptível Aurora!
e vi logo que só as estrelas é que me entenderiam.
Era preciso esperar que o próprio passado desaparecesse,
ou então voltar à infância.
Onde, entretanto, quem me dissesse
ao coração trêmulo:
- É por aqui!

Onde, entretanto, quem me disesse
ao espírito cego:
- Renasceste: liberta-te!

Se eu estava só, só e desesperado,
por que gritar tão alto?
Por que não dizer baixinho, como quem reza:
- Ó doce e incorruptível Aurora...
se só as estrelas é que me entenderiam?

Emílio Moura



Emílio Guimarães Moura (14 de agosto de 1902Dores do Indaiá28 de setembro de 1971Belo Horizonte) foi um poetamodernista, integrante do grupo de modernistas mineiros que ajudaram a revolucionar a literatura brasileira na década de 1920. Foi redator de cadernos literários dos periódicos Diário de Minas, Estado de Minas e A Tribuna de Minas Gerais. Moura foi também professor universit…

SE FOSSES ...

Se fosses luz serias a mais bela De quantas há no mundo: – a luz do dia! – Bendito seja o teu sorriso Que desata a inspiração Da minha fantasia! Se fosses flor serias o perfume Concentrado e divino que perturba O sentir de quem nasce para amar! – Se desejo o teu corpo é porque tenho Dentro de mim A sede e a vibração de te beijar! Se fosses água – música da terra, Serias água pura e sempre calma! – Mas de tudo que possas ser na vida, Só quero, meu amor, que sejas alma!

António Botto
Foto de Aleksandr Krivickij