sábado, março 06, 2010

CARTA DUM CONTRATADO





Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Uma carta que dissesse deste anseio

Deste anseio

De te ver

Deste receio

De te perder

Deste mais que bem querer que sinto

Deste mais que bem querer que sinto

Deste mal indefinido que me persegue

Desta saudade a que vivo todo entregue...

Eu queria escrever-te uma carta

Amor.



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Uma carta de confidências íntimas,

Uma carta de lembranças de ti,

De ti

Dos teus lábios vermelhos como tacula

Dos teus cabelos negros como dilôa

Dos teus olhos doces como macongue

Dos teus seios duros como maboque

Do teu andar de onça

E dos teus carinhos

Que maiores não encontrei por aí...



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Que recordasse nossos dias

Nossos dias na capopa

Nossas noites perdidas no capim

Que recordasse a sombra

Que recordasse a sombra que nos caía dos jambos

O luar que se coava das palmeiras sem fim

Que recordasse a loucura

Da nossa paixão

E a amargura

Da nossa separação...



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Que a não a lesses sem suspirar

Que a escondesses de papai Bombo

Que a sonegasses a mamãe Kiesa

Que a relesses sem a frieza

Sem a frieza do esquecimento

Uma carta que em todo o Kilombo

Outra a ela não tivesse merecimento...

Eu queria escrever-te uma carta

Amor.



Eu queria escrever-te uma carta

Amor,

Uma carta que ta levasse o vento que passa

Uma carta que os cajus e cafeeiros

Que as hienas e palancas

Que os jacarés e bagres

Pudessem entender

Para que se o vento a perdesse no caminho

Os bichos e plantas

Compadecidos de nosso pungente sofrer

De canto em canto

De lamento em lamento

De farfalhar em farfalhar

Te levassem puras e quentes

As palavras ardentes

As palavras magoadas da minha carta

Que eu queria escrever-te, amor...



Eu queria escrever-te uma carta...



Mas ah meu amor, eu não sei compreender

Por que é, por que é, por que é, meu bem

Que tu não sabes ler

E eu – Oh! Desespero! –

não sei escrever também!

não sei escrever também!



António Jacinto