quarta-feira, maio 25, 2011

PRETEXTOS PARA FUGIR DO REAL




A uma luz perigosa como água
De sonho e assalto
Subindo ao teu corpo real
Recordo-te
E és a mesma
Ternura quase impossível
De suportar

Por isso fecho os olhos

(O amor faz-me recuperar incessantemente o poder da
provocação. É assim que te faço arder triunfalmente
onde e quando quero. Basta-me fechar os olhos)

Por isso fecho os olhos
E convido a noite para a minha cama
Convido-a a tornar-se tocante
Familiar concreta
Como um corpo decifrado de mulher

E sob a forma desejada
A noite deita-se comigo
E é a tua ausência
Nua nos meus braços

Experimento um grito
Contra o teu silêncio

Experimento um silêncio

Entro e saio
De mãos pálidas nos bolsos

Assobio às pequenas esperanças
Que vêm lamber-me os dedos

Perco-me no teu retrato
Horas seguidas

E ao trote do ciúme deito contas
Deito contas à vida.

Alexandre O’Neill


Foto de Aleksandr Talyuka

1 comentário:

Fênix27 disse...

A sensibilidade de demosntrar o sentimento em palavras,em versos e em poemas,somente um verdadeiro poeta que conhece a alma humana.
Dispensa comentários, é simplesmente linda e envolvente.
Vim conhecer o seu blog e já estou seguindo.Espero que visite o meu cantinho.
Parabens pelo seu belo trabalho.
Grata.