FRÉMITO DO MEU CORPO A PROCURAR-TE





Frémito do meu corpo a procurar-te,
Febre das minhas mãos na tua pele
Que cheira a âmbar, a baunilha e a mel,
Doido anseio dos meus braços a abraçar-te,

Olhos buscando os teus por toda a parte,
Sede de beijos, amargor de fel,
Estonteante fome, áspera e cruel,
Que nada existe que a mitigue e a farte!

E vejo-te tão longe! Sinto a tua alma
Junto da minha, uma lagoa calma,
A dizer-me, a cantar que me não amas ...

E o meu coração que tu não sentes,
Vai boiando ao acaso das correntes,
Esquife negro sobre um mar de chamas ...

FLORBELA ESPANCA


Foto de Sergey Ryzhkov

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ALDA GUERREIRO

ACORDANDO

ANRIQUE PAÇO D'ARCOS - UM POETA PORTUGUÊS...