quarta-feira, abril 18, 2012

ACORDANDO


Em sonho, às vezes, se o sonhar quebranta 

Este meu vão sofrer; esta agonia, 

Como sobe cantando a cotovia, 

Para o céu a minh'alma sobe e canta. 


 Canta a luz, a alvorada, a estrela santa, 

Que ao mundo traz piedosa mais um dia... 

Canta o enlevo das cousas, a alegria 

Que as penetra de amor e as alevanta... 


 Mas, de repente, um vento humido e frio 

Sopra sobre o meu sonho: um calafrio 

Me acorda. — A noite é negra e muda: a dor 


 Cá vela, como d'antes, ao meu lado... 

Os meus cantos de luz, anjo adorado, 

São sonho só, e sonho o meu amor! 


 ANTERO DE QUENTAL 


 Antero Tarquínio de Quental (Ponta Delgada, 18 de abril de 1842 — Ponta Delgada, 11 de setembro de 1891) foi um escritor e poeta Português, nascido na Ilha de São Miguel, Açores . 

 A poesia de Antero de Quental apresenta três faces distintas:

 -A das experiências juvenis, em que coexistem diversas tendências; 

-A da poesia militante, empenhada em agir como “voz da revolução”; 

-E a da poesia de tom metafísico, voltada para a expressão da angustia de quem busca um sentido para a existência. A oscilação entre uma poesia de combate, dedicada ao elogio da acção e da capacidade humana, e uma poesia intimista, direcionada para a análise de uma individualidade angustiada, parece ter sido constante na obra madura de Antero, abandonando a posição que costumava enxergar uma sequência cronológica de três fases. 

 Antero atinge um maior grau de elaboração em seus sonetos, considerados por muitos críticos uns dos melhores da língua e comparados aos de Camões e aos de Bocage. Há, na verdade, alguns pontos de contato estilísticos e temáticos entre esses três poetas: os sonetos de Antero têm inegável sabor clássico, quer na adjetivação e na musicalidade equilibrada, quer na análise de questões universais que afligem o homem. (Wikipédia) 


 Foto de Dimitar Variysky